O outro lado da crise

É bem verdade que " há males que vêm por bem", como reza o ditado popular!
Apesar das várias referências ao "monstro" do nosso défice, que vários economistas da nossa praça vinham fazendo há anos, com especial destaque para o Prof. Aníbal, coube ao Dr. Durão a emblemática descrição da situação de "tanga" como a mais adequada para retratar o estado das nossas contas públicas!
Caiu o Carmo e a Trindade! 

Analistas, fazedores de opinião, jornalistas, políticos condenaram o alerta lançado, como se o mal estivesse no mensageiro que deu a notícia e não na notícia em si mesma!
E a notícia era simples mas horrorosa: o país estava, já na altura, confrontado com um "calote acumulado", qual monstro que teima em engordar, custe o que custar.
De então para cá, tem sido o que se sabe!

Entretanto, o vento mudou (e ainda bem), porque a governança que as últimas eleições mandou de férias perdeu a credibilidade política e a confiança que os governantes sempre precisam para ocupar tais lugares! 

Vem o Engenheiro Sócrates, com promessa de resolver as crises, sem aumentar impostos. Com a vitória no papo, manda às malvas as promessas feitas e desata a aumentar impostos, a pretexto de que não sabia o verdadeiro estado das contas públicas! 

Num acto de "grande magia", o Governador do Banco de Portugal tirou um coelho da cartola e apresentou o número do 6.83% para nos preparar a todos para um apertar do cinto nacional.
As reacções aí estão: os sindicatos saíram à rua (embora sem grande apoio popular)!
Resta aguardar pelos estragos que algumas medidas de austeridade irão provocar junto de pessoas e famílias em situação de pobreza, desemprego, doença e endividamento!
Aqui é que o descontentamento poderá fazer estragos na imagem do Governo!

Porém, défice à parte, todo este "atormentado processo" tem tido um mérito: quebrar o tabú da situação que há muito existe em Portugal. A saber: a escandalosa segregação entre os chamados "funcionários públicos" (portugueses de primeira que se arrogam o direito - talvez legítimo - de não perderem qualquer regalia) e os "outros trabalhadores portugueses" (que são portugueses de segunda e têm de se contentar com um sistema de Segurança Social em estado de coma anunciado, se nada for feito para o evitar).

Estamos confrontados com um Estado sem equidade social, alicerçado num sistema de segregação que o torna iníquo e injusto.
A verdadeira questão não é, pois, a percentagem do défice, mas sim a iniquidade do Estado e da classe política que se tem revelado incapaz de gerir os destinos colectivos da Nação com justiça social, garantindo o acesso ao sagrado direito à igualdade de oportunidades para todos, evitando que, para alguns se reformarem aos 52, 55 ou 60 anos, outros tenham de vir a trabalhar até aos 68 ou 70 para beneficiarem de umas magras centenas de euros para a sua velhice, se lá chegarem!

Se o enredo do défice servir para trazer mais equidade social e acesso a igualdade de oportunidades para todos os cidadãos, se nos trouxer mais disciplina para as contas públicas e uma nova consciência de cidadania onde acabem os cidadãos de primeira e de segunda, então... abençoado défice! 

* maia@paroquia-areosa.pt

 

Data de introdução: 2005-09-06



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...