PADRE JOSÉ MAIA

Sectarismos: Não.

Começa a ser perturbador o avanço de correntes religiosas e seitas que, em nome do seu Deus, desrespeitam, maltratam, perseguem pessoas e povos que não adiram às suas tradições e doutrinas, chegando a ameaçar de morte quem as rejeitar! Agora tudo vai ficando mais bem explicado ao constatarmos que é pretensão dos seus líderes fazer alastrar, por tudo quanto é sítio, novos califados, ou seja, assalto ao poder político através de crenças religiosas.

É certo que a História está cheia de tentativas como estas! Porém, ninguém imaginaria, no nosso tempo, ter de ver, sem nada poder fazer, imagens transmitidas, em direto, pelas televisões, apontando e disparando sobre pessoas indefesas como forma de intimidação e chantagem. A legião de terroristas recrutados, em países ditos civilizados, ao serviço de fanatismos religiosos, começa a constituir um preocupante “sinal de alarme” para a “ordem internacional”!

O mês de agosto, que agora findou, traz-nos à memória o famoso “maio 68” que trouxe à Europa e de modo especial a França, um MOVIMENTO DE MUDANÇA que atingiu culturas, ideologias, políticas, comportamento sociais e até religiões (recorde-se que foi neste ano de 1968 que concluiu o Concílio Ecuménico Vaticano II- uma verdadeira e profunda “revolução” na Igreja Católica)!

Contrariamente ao maio de 68, o agosto de 2014 vai ficar para a história como o mês do “jihadismo”, um MOVIMENTO com tudo o que de pior se esperava: terror, fanatismo e intolerâncias religiosas, políticas e sociais. Afinal, os califados não passam de uma estratégia para “branquear” o fanatismo e a perseguição aguerrida, de modo especial à Europa e aos Estados Unidos da América.

Nós, por cá, vamo-nos entretendo com os “meet” junto aos centros comerciais, enquanto nos virmos incluídos (o diabo seja surdo!) nalgum “roteiro de reconquista” por parte de fanatismos religiosos que andam à solta por esse mundo fora. Afinal, a designada “primavera árabe” transformou-se num assustador “inverno/inferno”!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2014-09-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...