Juntos por uma causa

1. Com grande sentido de oportunidade, recentemente, o Presidente da República recordou uma frase que, nos idos anos 60, marcou a campanha eleitoral de John Kennedy quando, aos que o interpelavam sobre o que, como presidente, faria pela nação americana, ele devolvia a pergunta com o repto interpelante sobre o que iria cada um fazer pela sua América.
Estamos num país diferente e num período distante, mas depois de muito se ter falado sobre direitos (e não deixa de ser importante que se fale de direitos, e, evidentemente, também de deveres), hoje começa-se a perguntar o que pode e deve cada um fazer pela nossa pátria.
Era o desafio que se pretendia com aquela evocação...
E o tema tem importância e actualidade: falar exclusivamente de direitos tem vindo a favorecer o culto da dependência e pode promover uma certa visão individualista da vida, com as consequências que vão sendo palpáveis e que são de ultrapassagem assaz difícil...
O devir colectivo, inequivocamente, é construção de todos. É e sempre será.
Cada um no seu espaço e na sua especificidade: mandatados para a causa pública ou por imperativos de ordem cívica, ética, religiosa ou social, todos têm algo a fazer pela pátria de todos. E a todos, dentro das suas aptidões, compete dar o seu contributo para uma sociedade mais harmónica.
Se em muito todos beneficiamos do que, outrora ou hoje, outros criaram e possibilitam, temos igualmente de dar o nosso contributo que favoreça o viver em comunidade e que ajude a deixar o mundo um pouquinho melhor do que o encontrámos...

2. A solidariedade social, entre nós, tem uma insofismável dimensão: quantos, neste país, anonimamente ou em instituições que idealizaram, desenvolvem e suportam, vão contribuindo para uma sociedade mais inclusiva e vão fazendo um Portugal um pouco melhor.
Por iniciativa de Organizações Civis, da Igreja Católica ou de outras igrejas ou por iniciativas de cidadãos para quem a solidariedade é o mais nobre exercício da cidadania, é consistente neste país o apoio a muitas crianças e a muitos jovens, é notório o apoio à família e à integração social e comunitária, são múltiplas as iniciativas de protecção de muitos cidadãos na velhice e invalidez e em situações de falta ou diminuição de meios de subsistência ou de capacidade para o trabalho, são consideráveis as experiências consolidadas de promoção e protecção da saúde, o contributo para a educação e formação profissional dos cidadãos e a resolução de problemas habitacionais das populações.
É a vitalidade do sector activo e dinâmico da economia social solidária, com expressão, inovação e em desenvolvimento.

Sendo plural a forma jurídica dessas instituições, porém, em todas elas o móbil é unicamente o serviço às pessoas. A todas as pessoas. São mais de três milhares essas instituições e serão elas os titulares do maior volume de equipamentos sociais e de um muito significativo conjunto das mais variadas respostas. Empregarão mais de duzentos mil trabalhadores e, graças a elas e aos seus voluntários promotores, directamente, mais de meio milhão de utentes, e, mediatamente, seus familiares e sociedade, em geral, beneficiam de um presente mais tranquilo e de um futuro mais radioso.
Perguntar a todos estes que se dedicam às instituições de solidariedade o que podem fazer pelo país, é ser-se remetido para as suas boas práticas e para as incontáveis obras que denodadamente desenvolvem e que falam bem mais alto do que as suas palavras...


3. Quando surgem sinais que indiciam estarem lançadas sementes de alguma turbulência na actividade solidária e quando se comprova que o mundo português ainda ignora aqueles a quem, efectivamente, mais deve, a CNIS, organização portuguesa que representa o maior volume dessas instituições, promove a Festa da Solidariedade. Será na Bela Vista da bela cidade de Lisboa. Será uma bela e festiva montra da actividade e do querer das instituições particulares de solidariedade social.
Com a Festa da Solidariedade a CNIS pretende, tão-somente:
- Que sejam vistos e revistos os números e a dimensão das respostas solidárias.
- Que sejam conhecidas e reconhecidas as instituições de solidariedade.
- Que sejam apreciadas e reapreciadas as suas incontáveis actividades.
- Que sejam notados e denotados os dirigentes voluntários das instituições.
- Que sejam cantadas e decantadas as iniciativas de quantos ousam ajudar a sorrir seus concidadãos.
- Que sejam visíveis e notórias as qualidades renovadoras e inovadoras de quantos à solidariedade social dedicam engenho e arte.
- Que seja dito e proclamado à cidade e ao mundo que isto que muitos já fazem pela sua pátria merece gratidão, apoio e acção multiplicadora...

É importante que todos compareçam à Festa da Solidariedade: dirigentes, trabalhadores, utentes e familiares. Para se animarem entre si e para reanimar um mundo ávido de exemplos e de estímulos.

Todos... juntos por uma causa!
Juntos como Agentes Solidários: temos uma Identidade...
Juntos como Cidadãos: somos acção solidária em movimento....
Juntos por um Ideal: somos a Solidariedade de Portugal.....

Dá as mãos: abre o coração....
Vem daí à tua, à nossa FESTA e verás que a solidariedade tem ROSTO: é o teu, o de todos nós que acreditamos que é possível viver, construir SOLIDARIEDADE!

* Presidente da CNIS

 

Data de introdução: 2007-09-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...