ANA MARIA BANDEIRA, VICE-PRESIDENTE DO ISCAP

Adesão à plataforma «SomosIPSS» é mais-valia para avaliar e melhorar a gestão

O Projeto TFA tem como grande objetivo promover a accountability (prestação de contas) no sector da economia social, em particular nas IPSS. Para tal, o projeto propõe-se a concetualizar uma framework de indicadores que permita, a cada instituição e aos seus stakeholders, fazer a avaliação da accountability nas dimensões social, ambiental, financeira e económica das suas atividades. Ana Maria Bandeira, vice-presidente do ISCAP, instituto que integra a equipa que tem desenvolvido o projeto, revela alguns pormenores do projeto, sublinhando as vantagens que as IPSS podem retirar da integração na nova plataforma «SomosIPSS».
O «Projeto TFA - TheoFrameAccountability – Quadro teórico para a promoção da accountability (prestação de contas) no sector da economia social: o caso das IPSS» tem como grandes objetivos: desenvolver uma plataforma tecnológica que permita às IPSS que não disponham de website a divulgação online da prestação de contas a que são obrigadas e de outra informação voluntária que cubra os aspetos sociais e económicos da sua atividade (www.somosipss.pt); desenvolver uma estrutura de indicadores que permita à própria instituição, aos stakeholders e ao sector da economia social fazer uma avaliação da atividade das IPSS nas suas dimensões social, ambiental, financeira e económica; e dar início à elaboração de um anuário financeiro que permita fazer a avaliação do desempenho das IPSS.
Para melhor se perceber as potencialidades da plataforma e as mais-valias que as IPSS podem obter a partir da adesão à mesma, o SOLIDARIEDADE conversou com Ana Maria Bandeira, docente e vice-presidente do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP).
O organismo do Politécnico do Porto, em parceria com o ISCA Aveiro e o ISCA Coimbra, juntamente com a CNIS desenvolveram o Projeto TFA, que está no terreno através da plataforma www.somosipss.pt.
Após a adesão e a criação de um website para a instituição, segue-se a inserção de dados sobre uma grande variedade de indicadores que permitirão às IPSS avaliar o seu desempenho, mas também comparar-se com os seus pares.

SOLIDARIEDADE - A estrutura de indicadores já se encontra definida?
ANA MARIA BANDEIRA
- Sim, esse trabalho foi desenvolvido na fase inicial do projeto.

E como é que foi desenvolvida?
Baseámo-nos numa extensa revisão de literatura que contempla as vertentes social e ambiental, para além da económica, e ainda na perspetiva da engenharia organizacional sobre o processo produtivo, para traçar as dimensões, subdimensões e indicadores propriamente ditos. Em paralelo e no terreno, visitámos uma amostra significativa de IPSS, por forma a conhecermos melhor a sua realidade e preocupações e melhor podermos ir ao encontro das suas necessidades. Nesse sentido, chegámos a seis dimensões: 1.  Purpose (Objetivo estratégico/Perfil organizacional/Governação/Transparência); 2. Partners (Utentes/Prestadores de atividade/Voluntariado/Fornecedores); 3. Performance Económico-Financeira  (Rácios de atividade/económicos/Financeiros); 4. Proximity (Comunidade/Investimento Social/Mecenato); 5. Planet (Eficiência energética e emissões/Resíduos/Ecologia); 6. Progress (Infraestrutura TIC/Literacia digital/Cultura).

Houve alguma validação que demonstre a adequabilidade à realidade das IPSS?
Realizámos um Focus Group onde apresentámos a framework e os indicadores, de modo a obtermos uma validação da sua adequabilidade por um grupo representativo e heterogéneo. Foram convidados para o efeito representantes de IPSS, de municípios e da Rede Social, bem como académicos ligados ao estudo do sector da economia social. Através dos inputs recebidos fizemos ainda reformulações possíveis nos indicadores, aproximando-os das necessidades sentidas.

E de que tipo de indicadores é que estamos a falar, pode exemplificar?
Sem querer ser exaustiva, poderei referenciar, por exemplo, na dimensão Purpose, o índice de transparência pelo qual se avalia se a entidade relata mais do que é minimamente exigido. Já na dimensão Partners, temos indicadores que avaliam o relacionamento com os utentes, com os trabalhadores, com a comunidade, por exemplo, indo desde a caracterização de cada um desses universos até à sensibilização para a avaliação da satisfação, da criação de emprego, do recurso ao emprego inclusivo. Quanto à Perfornance Económico-Financeira são exemplos o Volume de negócio em termos de atividade, a Rentabilidade Operacional a nível económico ou a Liquidez geral a nível financeiro. Em Proximity, os indicadores pretendem evidenciar, por exemplo, a realização de programas de formação/informação que são postos ao dispor da comunidade. No que respeita à dimensão Planet, propomos a avaliação da sensibilidade da entidade para as questões ambientais, com reflexo ou não na parte económica. Relativamente à dimensão Progress, tentamos avaliar a capacidade de adaptação às novas tecnologias pelo impacto que tal poderá gerar na atividade da instituição. São amostras dos diversos indicadores possíveis de encontrar na framework desenvolvida.

Trata-se, em primeira instância, de uma autoavaliação por parte das instituições?
Sem dúvida. Ao avaliarem quaisquer dos parâmetros indicados, as instituições estão em primeira fase a olhar para a sua envolvente interna, sobre a qual ponderam e refletem.

Habitualmente, o desempenho das IPSS é medido, sobretudo, pela avaliação da situação económica e financeira. Porquê incluir as componentes social e ambiental e o que é que estas vão avaliar?
O facto de apenas se considerar a dimensão económico-financeira na avaliação destas entidades é redutor, mais ainda se considerarmos que a sua missão é de cariz eminentemente social. Este lapso, nestas instituições em particular, tem de ser ultrapassado, pelo que a criação de indicadores específicos para a sua avaliação faz todo o sentido. Pretende-se avaliar com diferentes metodologias a performance social e ambiental e/ou, pelo menos, a sensibilidade que a instituição tem nestas dimensões.

Será possível efetuar uma comparabilidade entre as IPSS, ou melhor, cada uma avaliar o seu posicionamento face ao desempenho de outras IPSS?
É nosso propósito facilitar esse tipo de comparação. Quem aderir ao projeto poderá, mediante a avaliação obtida pelos indicadores criados, estabelecer o respetivo relacionamento com outras instituições, podendo filtrar o tipo de instituição, o seu âmbito territorial, etc., embora os dados sejam mantidos de forma confidencial.

Em que medida esta autoavaliação permitirá às instituições melhorar o seu desempenho?
É uma questão de análise de reptos e oportunidades, fraquezas e defeitos. Ao refletirem sobre aspetos positivos e negativos da sua atuação, podem melhorá-los e automaticamente interferir positivamente sobre o seu desempenho. Consiste num processo de benchmarking em que mimetizar o que de melhor se faz apenas se pode traduzir em melhores resultados.

Como é que esta componente se interliga com a plataforma www.somosipss.pt, apresentada na edição anterior do Solidariedade?
Efetivamente, para podermos facultar esta possibilidade de autoavaliação por parte das IPSS, elas terão de aderir ao projeto e registar-se na plataforma «SomosIPSS». Depois de fazer o registo têm a possibilidade de responder a um questionário que contempla as questões necessárias à recolha dos dados para o cálculo dos indicadores. Depois de respondido o questionário, a instituição terá acesso aos seus resultados (aos seus indicadores individualmente) e aos indicadores globais (resultados de todas as respostas). Isto permite a cada instituição aderente fazer uma avaliação do seu desempenho, podendo fazer a já referida autoavaliação, podendo comunicar esses resultados aos diferentes interessados e, como também já referimos, poder comparar-se com os pares.

Em que medida esta componente do projeto contribui para a melhoria do conhecimento que as partes interessadas (stakeholders) têm da instituição?
Esta componente do projeto só contribui para a melhoria do conhecimento que as partes interessadas (stakeholders) têm da instituição, se a instituição adotar práticas de divulgação de informação e dos resultados dos indicadores, melhorando a accountability e a transparência. Este também é um objetivo do projeto – sensibilizar para a necessidade de existirem práticas de accountability e transparência, na medida em que, muitos artigos científicos já referem que existem melhorias de desempenho para as instituições que o fazem e que ainda pode ser a via para atrair, designadamente mecenas e doadores.

A adesão a este projeto e a submissão a uma ampla avaliação pode ajudar as IPSS a comunicar melhor o que fazem, como fazem e a importância do seu trabalho? Ou seja, a sociedade em geral poderá conhecer melhor o trabalho das instituições, contribuindo para aumentar a sua transparência?
Estamos convictos de que é precisamente assim. Como referimos anteriormente, ao darem-se a conhecer melhor em todas as suas dimensões e envolvimentos, só pelo facto de aumentarem a sua transparência, gera-se confiança e credibilidade que a sociedade exige cada vez mais. As instituições passam a comunicar melhor, de forma mais transparente, e a sociedade responde de forma mais positiva através do reconhecimento da notoriedade destas entidades.

Como é que as IPSS interessadas em fazer esta avaliação o poderão fazer? Como aceder a esta componente do projeto?
Como referido anteriormente, as IPSS interessadas deverão integrar o projeto, registando-se na plataforma «SomosIPSS» e terão de responder a um questionário online para que os indicadores (avaliação) possam ser calculados. Posteriormente, será possível ter acesso à funcionalidade que permitirá estabelecer a comparabilidade entre IPSS, através de processos de filtragem. Os resultados da avaliação de desempenho e de comparações efetuadas podem ainda ser comunicados pela instituição, melhorando a sua transparência e chegando com maior facilidade a todos os seus stakeholders, logo, melhorando a sua accountability e a sua transparência.

 

Data de introdução: 2020-10-08



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...