INQUIETUDES? ...Vamos a isso!

Por Padre José Maia
maia@paroquia-areosa.pt

Em entrevista publicada no anterior número do SOLIDARIEDADE, o Ministro Bagão Félix confessou ser sua intenção pedagógica semear inquietude nas IPSS e nas suas práticas de acção social e solidariedade.
Do que conheço deste Ministro, as suas palavras são para levar a sério, apesar de pronunciadas num tom aparentemente simbólico e sereno.
Fez sempre parte da cultura das IPSS aceitar os desafios, reconhecer erros ou omissões quando acontecem no seu “fazer social”, propor com franqueza e de forma construtiva os seus pontos de vista, apoiar políticas, quando com elas concordam, manifestar discordância quando elas existem.
É por isso de saudar o Dr. Bagão Félix e aceitarmos o seu desafio para um “debate sobre inquietudes”, na esperança de podermos, desta forma, promover neste jornal da CNIS, um alargado debate social sobre o país e as políticas sociais do Governo
Para começar: “abandono escolar”.
Há muito tempo que a comunicação social tem confrontado a sociedade portuguesa com o drama do abandono escolar, por parte de adolescentes e jovens, em números assustadores!
Com efeito, ao sentirmo-nos todos interpelados por uma percentagem de abandono escolar na ordem dos 45%, é caso para nos interrogarmos: se esses jovens em casa não ficam, à escola não vão, onde é que eles estão?
Esta inquietude é para nós socialmente interpeladora, na medida em que revela que a pedagogia da “inclusão” que deveria conduzir à “inserção social”, está a servir de “viveiro” de exclusões e caminho para tentadoras marginalidades e comportamentos desviantes que retiram ao “capital humano mais jovem do país” a oportunidade de se preparar para viver e ajudar a construir o nosso futuro colectivo!.
Em recente visita presidencial pelo país, o Dr. Jorge Sampaio fez suas estas preocupações, tornando-se eco desta interpelação dos jovens de Portugal à Pátria que os tem como cidadãos e que tem o dever de lhes garantir o acesso ao direito de igualdade de oportunidades, a partir da sua diferença, uma vez que não é supostamente normal que tanta gente abandone a escola, a não ser por falta de adaptação a um lugar que, por vocação, deveria merecer uma melhor imagem e ser considerado como um espaço de aprendizagem, de convivência com os amigos, de felicidade.
Há muito que se deveria ter compreendido que urge dar o salto, passando-se de uma pedagogia centrada na “transmissão do saber” para uma pedagogia de “ensinar a aprender”!
Ficamos apreensivos ao ver que o Ministério da Educação, em vez de privilegiar um diálogo político com os partidos da oposição para verter numa nova lei de bases do sistema educativo uma nova “filosofia para a escola do século XXI”, se tem deixar envolver em questões menores que lhe têm retirado campo de manobra para grandes e ousadas reformas políticas. Claro que, para haver diálogo, é preciso que a oposição se preste a isso... O que não parece fácil! E é pena, até porque o actual Ministro da Educação tem revelado uma percepção ajustada dos problemas da educação!
Falando em “abandono escolar”, a inquietude aqui manifestada relativamente às responsabilidades do Ministério da Educação, é extensiva ao Ministério da Segurança Social e Trabalho, uma vez que da articulação entre os dois Ministérios, desde a creche e educação pré-escolar até aos tempos livres, à falta de ensino profissionalizante e ao desemprego de mais de 12 mil licenciados, dependeria uma inversão que urge ir fazendo nas práticas sócio-educativas junto da infância e juventude.
Pensando bem, a pedagogia da inquietude pode ser uma rica oportunidade para o diálogo social com o Governo. Vamos a isso!
 
Solidariedade, Junho de 2004

 

Data de introdução: 2004-10-07



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...