FAMíLIA PARA O TERCEIRO MILéNIO

ANO INTERNACIONAL DA FAMÍLIA – 10.º ANIVERSÁRIO 1994-2004

Por José Carlos Jorge Batalha*
                          uipss.de.lisboa@mail.telepac.pt

Como parte intrínseca da sociedade humana e como instituição natural de relações intergeracionais, a Família tem sido o sustentáculo das civilizações, e, apesar da sua desvalorização ética e da sua degradação social – que tem sido a génese de muitos e graves problemas com que o Mundo moderno se debate - continua a evidenciar a sua indispensabilidade para a estruturação da sociedade e para a formação e realização do Homem.

Um breve olhar retrospectivo mostrar-nos-á as rápidas e profundas mudanças que afectaram a instituição familiar:
Éramos um mundo fechado, com antípodas, de informações difíceis, um planeta saudável, regíamo-nos secularmente por valores.
Somos hoje um mundo aberto, com vizinhos, com informações globais e instantâneas, de deslocações supersónicas.
Somos um planeta ecologicamente doente. Regemo-nos por interesses e proveitos. Vivemos entregues a nós próprios. Estamos infectados pelos vírus da solidão e da violência, da apatia e da indiferença.
A Família deixou de ser, aparentemente sem regresso, a primeira escola.
Era-o, de facto. A escola dos valores.
A primeira escola passou a ser a televisão: a mais sedutora, a mais barata e a mais universal das escolas.
Esta escola, já não forma os futuros cidadãos. Ensina-lhes competição, violência, sensacionalismo, consumismo, pornografia.
Alimenta e promove a ideia que a Família é já uma realidade passada, ultrapassada pelas novas realidades emergentes.
Aponta com incrível ousadia, novas formas de relacionamento inter-pessoal, releva o discurso que refere que a Família é uma questão politicamente incorrecta e é uma instituição retrógrada.
Neste contexto e, quiçá também por sua influência, há também algumas vozes, muito em voga actualmente, que advogam que os pilares fundamentais da Família : Pai e Mãe, são dispensáveis. Queira Deus que a ciência não nos permita evoluir para qualquer outra hipótese, embora este aspecto da engenharia genética não seja de menosprezar.
Tenho a firme convicção de que a reprodução de seres vivos a partir de uma célula - a chamada clonagem - que ameaça dispensar a forma de procriação que a natureza inventou, e que há milhões de anos é o verdadeiro suporte da família, possa vir a ser um fenómeno de consequências imprevisíveis e um obstáculo à consolidação da Família.
Mas é oportuno questionar que Família é possível, a partir de uma nova forma de reprodução que dispensa o amor, abdica do afecto, se não, em última instância, da própria relação sexual?
Que consequências no plano da instituição familiar?
A relação que firmamos com os nossos pais não é meramente orgânica!
É, sobretudo, uma cumplicidade que se constrói no tempo.

10 anos depois da Organização das Nações Unidas ter proclamado o ano de 1994, como o Ano Internacional da Família, temos a consciência, cada vez mais viva, dos perigos e dos riscos que corre a humanidade com a degradação a que tem estado sujeita a instituição e a vida familiar.

Esta consciencialização, deve comprometer-nos, hoje ao celebrarmos o 10.º aniversário do AIF, de que é possível, ainda que em moldes actuais, recompor a instituição familiar, por forma a voltar a desempenhar o papel de célula base da sociedade humana.
É, pois, urgente, um confronto com a Constituição da República, que nos rege, designadamente no que se refere à garantia dos direitos que, salvando a família, salvam esta sociedade:
A afirmação do primado da Família, o direito a existir e a progredir como família;
O direito de transmitir a vida e dar a educação aos filhos, segundo as próprias tradições e valores culturais;
O direito ao trabalho e à adequação das condições laborais às condições familiares;
O direito à segurança física, política, social e económica;
O direito à habitação;
O direito à protecção dos menores das situações de pornografia, toxicodepedência, alcoolismo, violência;
O direito à emigração, como família, na busca de uma vida digna;
O direito à segurança dos idosos, a viver e a morrer dignamente;
O direito a uma verdadeira justiça fiscal que reconheça o papel social da família.
Em cada política sectorial é fundamental integrar uma dimensão familiar já que a Família é a certeza e a resposta aos desafios do mundo actual e do futuro.
Não haverá solidariedade social sem solidariedade entre gerações, sem solidariedade familiar .
A família é, assim, a questão central da sociedade moderna.
 
* Presidente da UDIPSS - Lisboa – União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social


Solidariedade, Maio de 2004

 

Data de introdução: 2004-10-07



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...