Pensão mínima de 3.500 contos, já!

As últimas semanas ficaram marcadas por algumas histórias de proveito e exemplo.
Proveito só para alguns, claro! Para todos só sobra o exemplo.

1 - A primeira história foi a da reforma (compulsiva?) do Eng.º Mira Amaral da administração da Caixa Geral de Depósitos - 3 500 contos por mês.
Reformou-se ainda novo - li nos jornais que tem só 58 anos. O que significa que esse estipêndio singelo lho vai pagar durante um longo e venturoso período: muitos anos, doze vezes por ano. (Ou serão catorze, ou quinze, as vezes e os meses?). 

Pela mesma altura, saiu também da administração da CGD o Dr. António de Sousa, que tinha em comum com o Eng. Mira Amaral o facto de ambos desempenharem o mesmo cargo, em administrações paralelas, inventadas para aumentarem os empregos do Bloco Central. 

O referido Dr. António de Sousa receberá da Caixa - de nós, que somos os donos da Caixa -, ao que dizem os jornais, cerca de 130 mil contos, a título de complemento de reforma.
(Não, não se trata de reforma; mas apenas de uns trocados para arredondar a dita.)
Ainda a fazer fé nos jornais, o Dr. António de Sousa tem 48 anos encontrando-se já reformado, pelo Banco de Portugal, quando foi nomeado para a Caixa.

2 - Pelos vistos, foi a própria administração da CGD que propôs, há 4 ou 5 anos, a revisão do regime de reformas dos seus membros, instituindo o sistema de que conhecemos agora tão auspiciosas manifestações.
O então Ministro das Finanças, Pina Moura, despachou favoravelmente.
Provavelmente entenderam na altura que se estava no momento de mostrar que nos encontrávamos na primeira linha da União Europeia, e nada melhor do que equiparar salários e outras regalias pela melhor bitola dos nossos parceiros comunitários para esse efeito.
Nem se pode dizer que foi pena terem tratado primeiro da sua vida. Como diria Almada Negreiros: vê-se bem que são portugueses ….

3 - Na ressaca, veio o Ministro das Finanças anunciar a sua intenção de integrar o fundo de pensões da Caixa Geral de Depósitos na Caixa Geral de Aposentações, a fim de manter o défice abaixo dos 3% do PIB.
São, diz o Expresso, 2,5 mil milhões de euros.
Já há 3 anos a ministra Manuela Ferreira Leite fizera o mesmo com o fundo de pensões dos CTT.
É certo que parece uma quantia elevada, mas essa transferência terá como efeito que passará a ser a Caixa Geral de Aposentações - a Previdência dos funcionários públicos - a pagar os encargos dos beneficiários do fundo. E também, obviamente, as pensões do Engº Mira Amaral e os complementos do Dr. António Sousa. 

E se o dinheiro hoje parece muito, é mais do que provável que daqui a poucos anos o fundo esteja todo gasto - até pelo elevado montante dos benefícios e pela duração do seu pagamento.
Lá teremos então os funcionários públicos, que ainda há um ano viram alargada para os 60 anos a idade mínima para a reforma sem penalizações a terem que pagar reformas principescas auto-atribuídas a estes beneficiários adventícios, com menos de 50 anos de idade; e a terem que ouvir, em breves anos, o Estado vir dizer-
-lhes, compungido, que a situação financeira da Caixa Geral de Aposentações exige a diminuição das reformas dos funcionários - como certamente vai suceder.

4 - Mas, por outro lado, o mesmo Ministro das Finanças fez saber que iria moralizar o sistema "obsceno" - são as suas palavras - que produziu estas mordomias.
É de saudar o seu propósito.
E, já agora, aqui fica uma sugestão: o dinheiro que poupar, que o transfira para o Ministério da Segurança Social. 

Estamos todos, nas IPSS, à espera que se inicie a diferenciação positiva nas creches e nos lares de idosos, como ficou estabelecido no Protocolo para 2004, que nos permita pagar salários dignos aos nossos trabalhadores.
Esse dinheirito fazia jeito para isso, e sempre era um caso de justiça.
É que a pensão do Engº Mira Amaral dá para pagar o ordenado de 30 (trinta) técnicos superiores.
E o complemento do Dr. António Sousa para construir um lar de idosos.

* Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2004-10-13



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...