CRÓNICA

O ladrão, o barão e o morcão...

O sr. Santos é um ouvinte assíduo do programa de rádio que costumo ajudar a fazer, às sextas de manhã, emitido na região do Grande Porto. Não conhecemos do sr. Santos mais do que a voz, a condição de reformado de uma actividade relacionada com as Finanças e o que as opiniões que partilha nas emissões em directo nos consentem intuir.

Num dos últimos programas o tema principal era a crise financeira mundial, mas o sr. Santos fez um desvio para abordar a temática que a actualidade tinha trazido à tona: o casamento entre homossexuais. Já nos habituámos ao pensamento conservador, sustentado na corda bamba de valores que vão da direita à esquerda com a mesma facilidade que a marcha militar. Já lhe perdoamos a atitude assertiva que as ondas hertzianas convertem em intervenções críticas e provocatórias. Mesmo assim, não raras vezes, deixa-nos embasbacados com a graça cáustica com que embrulha os comentários:
- Eu, os homossexuais compreendo e aceito. Andei na tropa em África e por lá apareciam alguns rapazes que nos contavam que em crianças tinham sido abusados sexualmente. Esses eu entendo. O que não consigo compreender são os paneleiros...

Depois desta pérola de sabedoria o sr. Santos voltou ao rego. E sobre a crise recorreu a uma máxima que serviu de rodapé para mais uma condenação severa dos devaneios liberais que estão nos alicerces da derrocada do sistema financeiro:
- Meus amigos, só vos digo uma coisa... Quem rouba um tostão é ladrão; quem rouba um milhão é barão; quem não rouba nada é morcão!
Acrescentem vocês a pronúncia típica do Porto à voz grave e forte do sr. Santos, ao telefone, e terão um dos momentos mais hilariantes de um programa de rádio.

O ouvinte tem uma memória e uma experiência de vida que fazem lembrar aqueles baús à guarda de velhos sótãos. Ambas resistentes, fascinantes, sedutoras e recheadas de histórias que serve com deleite extasiado e irónico. Falava-se de Educação no país, mas o sr. Santos encontra sempre espaço para dar a volta à marcha da conversa. Logo na primeira curva da sua intervenção telefónica falou do caso BPN. O antigo administrador do banco, Oliveira e Costa, estava nesse mesmo instante, a prestar declarações no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa sobre as alegadas burlas, fraudes e branqueamentos de capital, que terá dado origem à derrocada da instituição bancária, quando o sr. Santos resolveu oferecer ao auditório mais um achado do tal baú.
- Conheci esse senhor ( José Oliveira e Costa) em tempos numa assembleia-geral. Nessa ocasião, para tentar sensibilizar a plateia, o homem utilizou a seguinte expressão: “Eu não me envergonho de dizer que cheguei a andar descalço.” De pronto, alguém na plateia completou em voz alta: “…na praia, sr. Doutor… Eu também não!”
O ouvinte é um falante com muita piada.

 

Data de introdução: 2008-12-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...