Credibilidade em crise

Portugal está a viver um momento especialmente complexo da sua história!
Depois da esperança na revolução dos cravos e da experiência bem sucedida da organização democrática do país que sangrava por causa de guerras coloniais e se sentia em regime amordaçado, era legítimo augurar novos tempos de mais paz, justiça, liberdade, igualdade de oportunidades e um desenvolvimento social de rosto humano!

Muita coisa mudou para melhor! Valeu a pena fazer a revolução para mobilizar as novas gerações para um Portugal mais livre, mais solidário, mais desenvolvido, com mais riqueza e seguro do respeito dos direitos humanos!
Depois dos primeiros anos em que o PREC foi sendo substituído por um Estado de Direito que ensaiou mudanças estruturantes, mas com muitas dificuldades que reclamaram mesmo a vigilância do FMI e um Governo de Bloco Central para enfrentar descontentamentos que reformas dolorosas iam gerando um pouco por todo o lado.

Veio depois o período de governação do Prof. Cavaco Silva, acenando-nos com uma
“democracia de sucesso”. Foram 10 anos de muitas transformações, umas melhores, outras não tão boas, mas globalmente considerados positivos. Veio depois o Governo do Eng. Guterres, por muitos apelidado de despesista, mas decididamente marcado pela sensibilidade social em relação a muita gente que se ia vendo cada vez mais excluída, por causa da dificuldade que os sucessivos governos tiveram em construir uma matriz de desenvolvimento social, investindo mais num crescimento económico que, de facto, cria riqueza mas depois se esquece de a repartir com justiça e equidade!

Com o pânico do pântano que assustou o Eng. Guterres, a deserção que levou Durão Barroso para Presidente da Comissão Europeia e a sua substituição pelo mediático Santana Lopes trouxeram-nos o pânico do monstro e a realidade da tanga!
O Eng. Sócrates desembaraçou-se habilidosamente do Dr. Ferro Rodrigues, viu a sua oportunidade à vista e atirou-se a eleições. Prometeu tudo o que imaginou poder entusiasmar um povo que estava desiludido com os seus governantes!
Foi tiro e queda. E com maioria absoluta!
Tem sido corajoso, tem conduzido reformas estruturantes que o povo reconheceu como sérias em vários domínios. As sondagens, apesar de muitas manifestações de descontentamento contra o Governo, ainda vão mantendo o seu apoio ao Engenheiro Sócrates.

Há, porém uma palavra que é fatal e tem sido sistematicamente repetida em todas as manifestações. É a palavra MENTIROSO: Para caçar votos prometeu umas coisas e para governar acabou por fazer outras bem diferentes!
Agora, o PSD, através da Dra. Manuela Ferreira Leite, vem pedir-nos que lhe concedamos CREDIBILIDADE, pois agora é que vai ser!
A Europa está em pânico com os “nãos” ao Tratado de Lisboa.
Qual será o estado de espírito da nossa classe política ao pensar que em 2009 vai a votos?
E se a abstenção atingir índices superiores a 50%, por descrédito da população em relação a quem nos tem governado…que poderá acontecer?

 

Data de introdução: 2008-07-07



















editorial

Legislativas 2019

No contexto da pré-campanha eleitoral para as Eleições Legislativas de 2019 surgiram várias propostas e foram enunciadas algumas preocupações que conectam diretamente com o que são as competências e a tradição...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A conetividade como condição de sobrevivência das instituições
O conceito que no século XX mais influência teve na economia global, no mundo do trabalho e na vida dos cidadãos foi a globalização. Embora não tenha sido a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong
Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter...