Um interpelante destaque

1. Quase um milhão de pessoas em Portugal vive com menos de dez euros por dia e um quarto desses mesmos (230 mil) sobrevive com menos de cinco euros. O índice de desigualdade social português é o mais alto da União Europeia e supera mesmo os EUA: um destaque nada honroso.

Segundo um estudo coordenado por Alfredo Bruto da Costa, em Portugal, pelo menos durante um ano, no período entre 1995 e 2000, mais de metade dos agregados familiares viveram numa situação vulnerável à pobreza. O fenómeno, que teima em persistir, atinge um grande número de pessoas que trabalham, mas cujos salários não chegam para satisfazer as necessidades básicas. Segundo o mesmo estudo, a sociedade portuguesa não está preparada para apoiar as medidas necessárias para um verdadeiro combate à pobreza.
A “liderança” portuguesa no índice de desigualdade social não é situação de que verdadeiramente nos possamos orgulhar. Para mais, porque de mãos dadas com essa liderança, deparamo-nos com situações de verdadeira insensatez quando, em nome do rigor científico, num zeloso seguidismo de fidelidade aos ditames da União Europeia, uma prepotente autoridade tem vindo a obrigar Instituições a destruir alimentos, contrariando o exercício cívico da solidariedade com relações interdependentes de vizinhança e favorecendo o progressivo alheamento num combate à pobreza que a todos deveria mobilizar.

2. Um facto é indesmentível: com sucessivas iniciativas, muito se tem investido entre nós no combate à pobreza. Porém, os resultados são manifestamente pouco visíveis.
Que se passará? Estarão os portugueses condenados a uma apagada e vil pobreza?
Algumas hipóteses têm sido adiantadas: provavelmente muitos entre nós terão pensado que a entrada no “clube dos ricos” (União Europeia) obrigatoriamente os tornaria ricos, até porque dali viriam abundantes fundos de coesão. Acomodaram-se a essa esperança ignorando que a riqueza antes de ser distribuída terá de ser produzida.

Simultaneamente, algumas medidas de combate à pobreza terão privilegiado mais as estruturas que as implementavam do que os destinatários a que se dedicavam, pelo que não foram suficientemente expressivos os seus resultados.
Paralelamente, apresentando-se como inovadoras, outras medidas não ultrapassaram a marca assistencialista, que sustenta a dependência e adia a auto-promoção, pelo que a pobreza lá continuará a corroer muitos entre nós.


3. Os pobres têm um elevado nível de privação. Um pobre não é livre e a pobreza configura uma situação de negação de direitos fundamentais.
Uma verdadeira política de combate à pobreza assentará em três pilares fundamentais: promoção do empreendedorismo, aposta na educação e apoio à família.
O empreendedorismo é a capacidade de arrojo na dedicação às actividades que cria métodos com o seu próprio conhecimento na geração de riquezas, na transformação de conhecimentos e bens em novos produtos. E em todo o humano há uma capacidade empreendedorista por descobrir e favorecer.

Sendo muito mais que escolaridade e começando necessariamente na família, a educação desenvolve-se nesse “meio-termo” que é constituído pela rua, pelo desporto, movimentos de juventude, media, comunidade e igrejas. E, dimensionando-se ao longo da vida, simultaneamente, a educação é física, estética, moral, afectiva, técnica e intelectual. Privilegiando a educação promove-se o crescimento integral da pessoa.
A família, onde tudo começa e onde quase tudo converge, espaço de afectos e idealidades, é prioridade entre prioridades. Carecem de maior atenção entre nós, entre outros, fenómenos como a crescente e preocupante desestruturação familiar, a excessiva mobilidade, a falta de estímulos éticos e de civilidade, a inadequação entre vencimentos e obrigações familiares, a instabilidade no emprego e as condições logísticas e ambientais em que muitas famílias vivem.

Mas o verdadeiro combate à pobreza apenas será realidade se for assumido por legisladores e executores como primeiro desígnio nacional, proposto por um senado de pessoas que da experiência fizeram um bem para serviço do bem da comunidade.

 

Data de introdução: 2008-06-04



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...