Câmaras de filmar nas salas de aula!

A cena de violência entre uma aluna e a professora de francês na escola Carolina Michaëlis, no Porto, faz lembrar aqueles lances polémicos que a justiça desportiva decide punir depois de analisar as imagens televisivas. O facto de um colega da estudante ter gravado a cena e a ter colocado no You Tube provocou uma amplificação da gravidade do caso e obrigou a uma discussão generalizada sobre a falta de educação nos estabelecimentos escolares que em alguns casos chegam à agressão física.

Do You Tube as imagens foram repescadas por um semanário e a seguir reproduzidas até à exaustão pelas cadeias de televisão. As reacções sucederam-se em catadupa desde as bases populares até às cúpulas dirigentes nacionais. Tal qual como nos lances polémicos do futebol: A agressão grave entre jogadores não é percepcionada pelo árbitro, o povo reclama justiça, os jornais e televisões exibem a prova e o tribunal futebolístico acaba por parir uma qualquer sentença que, por norma, costuma ser tão ou mais polémica do que o lance que lhe deu origem.

Toda a gente sabe que, infelizmente, as cenas de violência entre alunos, alunos e professores, pais e professores desde há muito que transpuseram os muros e os portões do território escolar. No tempo do culto da autoridade, bater nos filhos e nos alunos era uma prática social edificante. A escola era, desse ponto de vista, um exemplo. Nem sequer se pode alegar que a violência é de agora; apenas que é diferente. São inúmeros os casos denunciados, mais ainda os camuflados, e serão poucas as escolas em que tal não acontece. Tal como no futebol, nos jogos em que não há imagens nada ocorre.

Só existe o que se vê. E só se cura a ferida sangrenta esquecendo a maleita profunda que lhe causa as lesões. Acabem com os telemóveis nas escolas. Castiguem-se os envolvidos. Puna-se o realizador de trazer por casa. Critique-se a escola. Marginalize-se a professora.

Vou deixar aqui uma sugestão que tem sido adiantada como remédio para mitigar os crimes mais violentos das cidades e está também a ser maturada para se adaptar aos lances de juízo mais difícil nos estádios de futebol: Câmaras de vigilância nas salas de aula! É só vantagens: tem uma função inibitória; pode constituir prova de ocorrência de crime; e, de bónus, permite avaliar os professores com mais rigor, eficiência e maior transparência do que o método proposto pelo Ministério da Educação.

Nada foi feito para mudar a mentalidade deste povo que somos. Já pouco faltará para darmos razão ao falecido cronista e escritor Eduardo Prado Coelho, que chegou a defender que a solução é mesmo mudar o povo.

 

Data de introdução: 2008-04-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...