Não se pode tolher a cada um o direito de trabalhar por mais valer

No âmbito do Plano de Actividades para o ano em curso decorreu, no Centro de Reabilitação Profissional da Delegação de Ponte do Lima da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão com Deficiência Mental uma sessão solene de entrega de certificados da frequência e conclusão de acções de Formação Profissional nos cursos de Jardinagem, tecedeira e Actividades da Vida Hoteleira e similares de cinco jovens formandos que de há algum tempo a esta parte vinham, afincadamente e com denodo a frequentar aquele Centro de Reabilitação.

A cerimónia de profundo significado associativo constituiu uma autêntica “pedrada no charco” no quadro do indiferentismo e de acomodação que vai grassando por esse país no que ao enquadramento profissional de pessoas com deficiência concerne.

Sem grandes alardes, mas de forma consistente, meticulosa e persistente a APPACDM de Viana do Castelo, fiel ao que estatutariamente lhe está cometido, tem vindo a implementar, promover e desenvolver todo um conjunto de oportunidades cujo fim último visam a “afirmação da pessoa com deficiência enquanto PESSOA” sujeito activo do seu próprio projecto de vida e ela mesma promotora, a seu nível, de desenvolvimento comunitário que a todos os níveis se quer sustentado.

Meticulosamente preparada com a participação activa dos ora finalistas em todos os momentos e desenvolvimento do programa a sessão teve a presidência do Dr.Franklim Sousa em representação da Câmara Municipal de Ponte de Lima (parceira por excelência da APPACDM neste concelho), ladeado pelo Presidente da Direcção da mesma Instituição, professor Manuel Domingos e da Directora da Delegação local T.O. Dra. Conceição Cunha. Para além de todos os formandos e de toda a equipa técnica de enquadramento estiveram igualmente presentes os pais, directora do Centro de Emprego de Viana do Castelo (Dra. Águeda Lima) Provedor da Santa Casa da Misericórdia, outros convidados e quadros superiores da APPACDM ligados ao sector da Formação Profissional.

Particularmente emocionado e com algum embargo de voz, aqui ou além o Presidente da Direcção pôs a tónica da sua intervenção no realce das efectivas e mais que comprovadas capacidades e competências profissionais dos ora agraciados, deixando bem claro que tudo isto é possível porquanto todos temos, a seu nível, sido para estes jovens oportunidade para que, no dia a dia, lhes sejam efectivamente garantidos entre outros o direito a:

• Partilhar lugares comuns
• Fazer escolhas
• Desenvolver capacidades
• Ser tratado com respeito e ter um papel socialmente útil
• Crescer nas relações

Desafiou igualmente os demais formandos, ainda em processo de aprendizagem, a que não se poupem a esforços no sentido de virem a concluir com êxito o seu projecto de formação, sendo certo que para isso contarão naturalmente com o apoio de suas famílias, da APPACDM e do IEFP – cuja intervenção, parceria activa e apoio técnico e financeiro foram profusamente realçados pelo Prof. M Domingos e da comunidade local e sociedade civil, nesta sessão personificadas pela Câmara Municipal. A comprovar estas suas palavras apresentou com exemplo e/ou coroa de glória a própria remodelação e adaptação das instalações onde de há dois anos a esta parte estão instalados (mais um projecto de parceria entre a APPACDM e a Câmara Municipal).

Ufanos da vitória, era vê-los, de sorriso rasgado e consciência do dever cumprido, receber das mãos do Director da APPACDM e do Dr. Franklin Sousa os seus certificados, curriculum vitae e respectivo porte fólio das suas capacidades e competências profissionais que, em igualdade de oportunidades apresentarão no mercado aberto de trabalho. Registe-se com a propósito o facto de todos eles já ter garantia de colocação profissional (loja “Nós e Pontos”- tecedeiras e na Câmara Municipal nas áreas de jardinagem e serviços)
A sessão teve ainda um toque de bem acolher patrocinado por três jovens da Academia de Música de Ponte de Lima.

Em jeito e à guisa de conclusão registe-se que a APPACDM em termos de integração sócio profissional nos últimos sete anos colocou no mercado de trabalho 52 (cinquenta e dois) formandos, para além de 69 trabalhadores enquadrados no Centro de Emprego Protegido e 44 nas suas Empresas de Inserção Social.
UMA VERDADEIRA PEDRADA NO CHARCO.

 

Data de introdução: 2008-02-16



















editorial

Os pobres e as Instituições de Solidariedade

(...) Se o Sector Social e Solidário é um muito importante pilar do Estado Social, corre sérios riscos de colapso porque o Estado não está a corresponder às expectativas criadas aquando da celebração do Pacto de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: uma outra deriva?
Em democracia, nada é definitivo. E nada é definitivo, porque a democracia pressupõe a realização cíclica de eleições, e os resultados dessas...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Greves e serviços mínimos...
Após um longo tempo de quase ausência de greves, proeza atribuída às políticas de reversão de direitos dos trabalhadores e, em geral, de todos os portugueses...