ASSOCIAÇÃO VAI AVANTE - GONDOMAR

Da pobreza dos antigos mineiros à pobreza dos tempos modernos

Nasceu na tasca do bairro por iniciativa de um grupo de amigos no lugar das Bocas, em S. Pedro da Cova. O “parto” deu-se em Março de 1945, mas só em 1962 é que ficou legalizada enquanto associação. À época era conhecida como uma cruzada de bem-fazer, destinada a ajudar os mais necessitados, uma designação que agora se transformou em solidariedade social.

Numa freguesia pobre, com uma população essencialmente mineira e sob a ditadura do Estado Novo, as primeiras iniciativas sociais passaram pela distribuição de alimentos e medicamentos a quem precisava, o motor de arranque do trabalho da Associação Social, Recreativa, Cultural e Bem-Fazer “Vai Avante”, que actualmente é uma das maiores instituições particulares de solidariedade social do concelho de Gondomar. Num dos documentos da associação relembra-se que “durante muitas gerações, foram as Minas de S. Pedro da Cova um dos grandes alicerces da economia do país e da Região Norte. A sua dinâmica tornava-se visível a quem percorresse a região do Grande Porto, confrontando-se com o vaivém de cestas metálicas, movimentando-se ao ritmo febril da actividade do complexo mineiro (...)”. Com a sua extinção, o desemprego alastrou pela freguesia e pelo concelho e com ele vieram muitos dos problemas sociais que constituem áreas de intervenção da “Vai Avante”.

Erigida sobre a ditadura do Estado Novo, a associação viu-se confrontada com o papel centralizador e autoritário do regime, que proibia a liberdade dos cidadãos se reunirem e associarem, o que dificultou muito a compra de um terreno para construir a sede, que hoje está situada no lugar de Tardariz. O acesso das mulheres ao trabalho associativista também não era comum e bem visto na época, pelo que a participação feminina quase não existia e este “quase”, porque os estatutos obrigavam a inclusão de elementos do sexo feminino, uma formalidade que não passava do papel para a prática.
Voltada para a área desportiva e recreativa, só mais tarde é que a associação diversificou as actividades, adquirindo um papel mais interventivo a nível social, cultural e formativo, alargando a sua acção às mulheres e crianças, já depois do 25 de Abril. “Tínhamos muitas crianças que andavam pelas ruas sem qualquer tipo de respostas”, explica Fernando Duarte, presidente da “Vai Avante” há quase 20 anos. “Apercebemo-nos também que existiam muitos idosos que quase nunca saíam de casa e a associação quis ajudar essa população e começou a fazer acordos com a Segurança Social para a criação de valências que permitissem enquadrá-los”.

A área de intervenção da associação é quase exclusivamente a vila de S. Pedro da Cova, uma freguesia com graves problemas sociais que espelham-se, por exemplo, no facto de ser a freguesia do concelho com maior percentagem de beneficiários do rendimento social de inserção, com grande percentagem de abandono e absentismo escolar, situações de negligência e de maus-tratos a crianças e jovens, segundo dados de Maio de 2006 da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens local.

Com 85 colaboradores, a associação intervém directamente sobre meio milhar de pessoas, com grande destaque para a população infantil (416 utentes a nível de infância), nas valências de ATL, creche e jardim-de-infância. Refira-se que Gondomar, segundo os Censos de 2001, apresenta a terceira taxa de rejuvenescimento mais elevada do Grande Porto, à frente de concelhos como Vila Nova de Gaia ou Maia, destacando-se igualmente da Região Norte e da média nacional, onde para cada idoso com mais de 65 anos, existem cerda de seis indivíduos em idade activa (15-64 anos). Este facto aliado ao concelho ser considerado como um dos dormitórios da cidade do Porto, faz com que a mobilidade da população activa seja elevada (de 60,6% da população que diariamente se desloca para os seus locais de trabalho, 28,4% fá-lo dentro do concelho e 20% para o Porto, segundo dados de 2003 do Instituto Nacional de Estatística, presentes no Diagnóstico Social de Gondomar), o que pressupõe a existência de respostas sociais para as crianças e idosos que ficam na terra. “Temos uma grande carência de jardins-de-infância, uma vez que os estatais abrem às nove da manhã e fecham cedo, o que não serve as necessidades dos pais que vão trabalhar para longe de casa”, corrobora Helena Barros, directora de serviços da instituição.

Com a nova política na área da educação para os ATL’s, Helena Barros mostra-se apreensiva, principalmente pela “indefinição que se vive”. A instituição possui três ATL, com 156 crianças, todos abertos das sete da manhã às oito da noite. “Não sei como é que os pais vão fazer se fecharmos, uma vez que eles precisam realmente de um horário alargado, porque muitos vêm de transportes públicos do trabalho e chegam tarde a casa, além de que não têm rectaguarda familiar para as crianças”. A directora diz também que já havia pedido a reconversão de um dos espaços de ATL em jardim-de-infância, mas que, até agora, não obteve qualquer resposta. “Já faz quatro anos que pedi essa reconversão, muito antes desta polémica, e chegou a vir cá uma técnica do Ministério da Educação que nos disse que tínhamos condições para tal, mas até hoje nunca nos foi dada resposta para o efeito”, lamenta.

A existência de quatro grandes bairros sociais em S. Pedro da Cova é, segundo estes dois dirigentes, um dos factores que condiciona a proliferação dos tantos problemas sociais. “Temos miúdos de dezoito anos que apenas têm o quarto ano de escolaridade e não querem saber da escola. Muitos pais, não estão sensibilizados para a importância da formação e não se importam com a situação”, afirma Helena Barros. Fernando Duarte refere igualmente o elevado índice de alcoolismo e de desemprego que aliado ao défice de formação arrasta problemas mais graves como as toxicodependências e a delinquência. “A autarquia foi construindo habitação social e concentrou quatro grandes bairros aqui em S. Pedro, mas apesar dos equipamentos sociais, muitos dos quais dirigidos por nós, é difícil fazer face a tantas problemáticas”, diz o presidente.

Os constrangimentos financeiros são, como na grande maioria das instituições de solidariedade social, outro dos factores que impede a aplicação de mais projectos e condiciona o trabalho da associação. “A parte financeira é sempre uma dor de cabeça, pois para ter um quadro de pessoal adequado às necessidade é preciso renumerá-lo de forma justa e a Segurança Social por exemplo, só paga doze meses e não catorze”, refere Helena Barros. O programa “Clique Solidário - Espaço Internet”, financiado pelo Fundo Social Europeu, FEDER e Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, é uma das acções que está em risco de acabar já em 2009, por falta de verba. Com o objectivo de sensibilizar os utentes e a comunidade para a importância das Tecnologias da Informação, incrementar o uso dos computadores e da Internet, o programa deixou de ter financiamento no final do ano passado e a associação não sabe até quando consegue lavá-lo “avante”. “Temos muita procura, principalmente agora com o programa “Novas Oportunidades”, pois muitas pessoas não têm computador em casa e vêm para cá, mas infelizmente, sem apoios é difícil manter as portas abertas”, lamenta a directora de serviços.

Apesar das dificuldades, a “Vai Avante” oferece um conjunto muito diversificado de actividades, desde teatro, aulas de dança, futebol, mantendo viva a sua função inicial essencialmente voltada para o lazer e recreio e tornando-se assim num pólo dinamizador de S. Pedro da Cova. Já no próximo mês, Fernando Duarte prevê a inauguração de uma nova creche, financiado a 70 por cento pelo programa PARES e em parceria com a autarquia gondomarense. Além disso, o presidente espera ver aprovado pelo mesmo programa e ainda em 2008, a construção de um centro de dia, “uma das lacunas da nossa instituição e que faz muita falta à população que servimos”, afirma.

 

Data de introdução: 2008-02-07



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...