POBREZA EXTREMA

Só “existe” quando incomoda a sociedade

Há uma "demissão da sociedade" face à extrema exclusão, que só é quebrada pontualmente "quando essas situações geram insegurança". Normalmente as pessoas manifestam preocupação por esses fenómenos quando sentem algum tipo de ameaça. “Estão preocupadas com a sua insegurança e não com a existência de sem-abrigo ou toxicodependentes", frisou Sérgio Aires, um dos responsáveis do projecto In Extremis, que apresentou uma avaliação no Porto.

Os responsáveis pelo projecto In Extremis, de combate à pobreza extrema, apontaram o dedo aos Estados europeus que dizem estão a contribuir para o agravamento da exclusão social. "Nenhum ministério pode produzir orientações sem medir antes se elas podem gerar fenómenos de exclusão social. Mas a verdade é que só a Irlanda cumpre esta orientação europeia", afirmou Sérgio Aires, que representa no projecto a secção portuguesa da Rede Europeia Anti-Pobreza.

Envolvendo uma centena de organizações não governamentais (ONG) em Lisboa, Porto e Coimbra, o In Extremis desenvolve-se há dois anos, centrando-se ainda no diagnóstico das situações. Volta-se para toxicodependentes, sem abrigo, imigrantes e prostitutas, grupos "que estão para lá das respostas sociais" anteriormente existentes.

A investigação desenvolvida no terreno pelas ONG envolvidas no In Extremis permitiu concluir que estas situações de extrema pobreza mudam quase diariamente e que, em muitos casos, as mesmas pessoas concentram em si os quatro fenómenos.
Concluiu-se também que não há competências específicas para intervir nestes fenómenos, pelo que o In Extremis vai pedir às universidades que ponham os seus formandos na área social em contacto com a realidade.

23 de Setembro de 2004

 

Data de introdução: 2004-10-21



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...