ANÚNCIO FEITO PELA MINISTRA DA SOLIDARIEDADE NO PARLAMENTO

Governo vai criar linha telefónica de apoio aos lares de idosos

O Governo vai criar uma linha telefónica de apoio aos lares a funcionar 24 horas por dia e avançar com testagem a Covid-19 de trabalhadores por níveis de risco, anunciou o Governo.
A apresentação da medida foi feita pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, ouvida no Parlamento, juntamente com a ministra da Saúde, Marta Temido, sobre os surtos de Covid-19 nos lares de idosos.
Na sua intervenção, a ministra do Trabalho anunciou que está previsto um reforço das 18 brigadas de prevenção espalhadas por todos os distritos do país, a criação de uma linha telefónica de apoio aos lares que irá funcionar 24 horas por dia e sete dias por semana, além de testagem de trabalhadores com critérios de níveis de risco.
As duas responsáveis governamentais afirmaram que tem havido um acompanhamento da situação nos lares desde março, que foram implementadas as medidas necessárias para uma situação que apanhou todos desprevenidos e que não é verdade que estejam a “correr atrás do prejuízo”.
A ministra garantiu que o objetivo sempre foi o de “nunca baixar os braços” e implementar todas as medidas para proteger as pessoas, lembrando que é conhecida a vulnerabilidade das pessoas idosas face a uma pandemia e de como “os lares têm sido locais de grande preocupação face ao momento” atual.
Ana Mendes Godinho lembrou que há, atualmente, 2.527 lares em todo o país, onde estão 99.500 idosos, e que, destes, 60% tem mais de 80 anos, havendo registo de 35 surtos ativos nestas instituições.
A ministra disse que foi feito um “acompanhamento permanente” e um planeamento desde março, em conjunto com o Ministério da Saúde, tendo havido a preocupação em criar uma task-force de acompanhamento e implementação de programas de prevenção, algo que foi feito em conjunto com o Sector Social Solidário.
A governante referiu também que foram implementadas medidas para reorganizar as próprias instituições, desde logo com a testagem preventiva de funcionários, tendo já sido feitos 117 mil testes a trabalhadores.
Por outro lado, foram reforçados os equipamentos de proteção individual com mais 1,3 milhões de unidades, o que já custou 10 milhões de euros, segundo Ana Mendes Godinho, além de terem sido recrutadas mais oito mil pessoas para reforço das próprias instituições.
De acordo com a ministra da Solidariedade, só ao nível dos acordos de cooperação houve já “um aumento de 120 milhões de euros” de reforço, em linha com o que tem vindo a ser feito nos últimos três anos, indo ao encontro das respostas sociais que precisam de mais investimento.

 

Data de introdução: 2020-09-18



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...