COVID-19: FEDERAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFICIÊNCIA MENTAL

Não há condições para abrir os equipamentos sociais em 18 de maio

A presidente da Humanitas - Federação Portuguesa Para a Deficiência Mental afirmou que não há condições para abrir os equipamentos sociais na área da deficiência em 18 de maio, como determinado pelo Governo.

"Vemos [esta decisão] com muito desagrado e desconforto. Nunca pensámos que o Governo tomasse uma posição destas relativamente a uma área que é altamente vulnerável, não apenas porque muitos destes jovens têm uma grande vulnerabilidade a nível de saúde, como pelo contágio, porque é uma população que não consegue entender as medidas de isolamento e distanciamento social", disse à agência Lusa a presidente da Humanitas, Helena Albuquerque. 

Segundo a responsável da federação, as instituições estariam à espera de que a abertura dos equipamentos sociais na área da deficiência fosse em 01 de junho, mas, "mesmo assim, seria um pouco cedo".

Porém, nunca a federação pensava que fosse determinada a abertura antes dessa data, vincou.

Os lares estão a funcionar, mas em instituições em que houve casos de covid-19, "os colaborares dos lares foram para casa e os serviços têm sido assegurados por colaboradores dos CAO (centros de atividades ocupacionais)", explicou Helena Albuquerque.

"Grande parte dos colaboradores dos CAO estão a dar apoio nos lares. Não temos as condições mínimas [para abrir os centros de atividades]", salientou, considerando a medida "totalmente desadequada da realidade e mostra um desconhecimento completo do terreno e do que se está a passar nas instituições associadas à deficiência".

A presidente da Humanitas realçou ainda que em 18 de maio se começará a perceber os efeitos das decisões hoje tomadas pelo Governo, sendo que "juntar uma população altamente fragilizada e que não percebe as regras de distanciamento é muito complicado".

Além disso, Helena Albuquerque notou ainda que não está previsto qualquer apoio do Governo para cobrir as despesas na aquisição de equipamento de proteção e na desinfeção dos espaços. 

 

 

 

 

 

Data de introdução: 2020-05-01



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

(...) É relevante a importância do estudo sobre a importância económica e social das IPSS, que ajuda a perspetivar algumas vias de futuro e constitui uma preciosa ferramenta na Cooperação. (...)

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Saber fazer e como fazer
A Covid-19 arrastou o mundo e o nosso País para uma crise com consequências económicas e sociais ainda difíceis de imaginar.Mostra a experiência que no fim de qualquer...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

As contas da tragédia dos incêndios de 2017
Exerço as funções de Presidente da Assembleia Geral da União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e é com satisfação que constato que entre a...