4ª SEMANA SOCIAL DA UDIPSS BRAGA

O futuro da ação social será marcado pela relação entre Estado, autarquias e IPSS

O tema em debate, no auditório do CITEVE, em Vila Nova de Famalicão, era «IPSS e o Desenvolvimento Local», pretendendo a organização, a cargo da UDIPSS Braga, que se refletisse sobre a importância económica e social das IPSS e ainda qual o seu contributo para o desenvolvimento local.
Estava-se no segundo dia (de três) da 4ª Semana Social promovida pela União Distrital bracarense, depois de, na véspera, o dia ter sido dedicado ao «Compromisso de Cooperação para o Sector Social e Solidário» e um dia antes do grande piquenique/convívio, com que sempre encerra a Semana Social de Braga, com centenas de utentes, colaboradores e dirigentes presentes.
Convidados de honra da sessão no CITEVE, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, o presidente da CNIS, padre Lino Maia, e ainda Mafalda Cabral, administradora da Sol do Ave.
O presidente da UDIPSS Braga, cónego Rosmaninho Mariz, moderou a sessão, contextualizando e lançando desafios aos palestrantes.
Sobre a temática a debate, o ministro Vieira da Silva começou por lembrar que “as respostas sociais estão presentes em todo o território”, havendo “maior densidade no litoral, mas assumem uma maior dimensão numérica nos territórios de baixa densidade populacional”.
Posto isto, o governante propôs-se fazer uma reflexão, apontando que as instituições sociais “são particulares, independentes do Estado, autónomas e a dimensão da missão afasta-se do sector privado e aproxima-se do público, porque persegue o bem-estar social”, sublinhando que “é nisto que reside a matriz do Sector Social Solidário”.
Ora, para o ministro da Solidariedade, “assumindo esta definição, há que tirar consequências”: “As respostas são de natureza universal, mas isto não está desligado da prioridade aos mais carenciados. Por isso, não podemos sacrificar a sustentabilidade económica à sustentabilidade social das instituições”.
Relevando algumas vantagens competitivas das IPSS – “maior nível de capilaridade”, “elevada flexibilidade” e “enorme resiliência” –, Vieira da Silva destacou, entre outras, a capacidade de gerar emprego por todo o território.
“Se o emprego é relevante a nível nacional, é muito mais a nível local”, pois tem “capacidade de captar e oferecer emprego, algum que exige qualificação técnica”, defendeu o ministro, acrescentando que “os rendimentos são canalizados para a economia local” e considerando que “as IPSS são, em muitos locais, a âncora populacional”, numa espécie de “rede territorial”.
No entanto, Vieira da Silva alertou para a necessidade de “diálogo e parceria entre o Sector Social Solidário e o Poder Local”, pois aponta que “o futuro da ação social será marcado pela relação triangular: Estado Central, Poder Local e IPSS”.
Por fim, o governante indicou alguns desafios que vislumbra no futuro.
“É preciso reforçar a rede, porque há carências pela evolução demográfica; deve haver uma focalização nas respostas sociais, pois a apostas das instituições deve ser na gestão de respostas sociais; a sustentabilidade, que não pode ser uma dependência muito maior do Estado”, argumentou, deixando algumas pistas para melhorar a sustentabilidade, como “reforçar as parcerias dentro do Sector Solidário” ou “estabelecer relação com outros agentes locais que façam baixar os custos”.
A terminar, Vieira da Silva deixou uma palavra de alento e um alerta: “Sou otimista quanto ao desenvolvimento sustentável e sustentado do Sector, mas não minimizo os riscos, em especial no que toca à legitimidade e imagem das instituições”.
Antes, já o padre Lino Maia havia partilhado com os presentes uma série de números que evidenciam a importância das IPSS no desenvolvimento local.
Cerca de 700 mil utentes, 200 mil trabalhadores, milhares de dirigentes voluntários, qualquer coisa como 5.000 instituições com acordos de cooperação com o Estado, “uma realidade que abrange à volta de um milhão de pessoas” e que “praticamente abrange toda a população portuguesa”.
“As IPSS são muito importantes para o desenvolvimento local, basta ver os dados de um estudo fito para a CNIS que revelam que 1 euro representa um benefício de 4 euros para a economia local. Ou ainda que em 27% das freguesias portuguesas a IPSS é a única entidade presente”, recordou o presidente da CNIS, defendendo que “as IPSS podem ser ainda mais promotoras de desenvolvimento local, prestando outros serviços e até como gestoras de equipamentos abandonados”.
Já Mafalda Cabral sublinhou que “o desenvolvimento local é um processo partilhado entre todos os agentes”, daí a “proximidade às IPSS” por parte da Sol do Ave, até porque, “da infância à terceira idade, as IPSS têm um vasto campo de intervenção na comunidade”.

 

Data de introdução: 2019-10-09



















editorial

Risco de pobreza

Realizado em 2019 sobre os rendimentos do ano anterior, o "Inquérito às Condições de Vida e Rendimento" indica que 17,2% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2018. Menos 0,1 ponto percentual que no ano anterior, mas embora diminuindo...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS
Esta semana fui convidado pela administração do grupo Altice para assistir, em Braga, a um evento sobre responsabilidade social das empresas. Ora aqui está um tema que vai seguramente...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O Muro de Berlim e os outros muros
A queda do Muro de Berlim foi, certamente, um dos acontecimentos mais importantes da segunda metade do século vinte. Basta lembrar que abriu o caminho para o desmantelamento da “Cortina de...