SETEMBRO DE 2019

IPSS E ADAPTAÇÃO À MUDANÇA CLIMÁTICA

Nos anos 80, com a aprovação pelas Nações Unidas do Relatório sobre Ambiente e Desenvolvimento, deu-se um impulso político ao conceito de sustentabilidade. Pouco depois, em 1992, teve lugar no Rio de Janeiro a primeira Cimeira da Terra. Estes passos iniciais deram lugar a uma forte sucessão de acordos e tentativas de acordos internacionais sobre os problemas do ambiente e da energia à escala mundial.

Hoje, em especial com os fenómenos extremos de temperatura, com as chuvas torrenciais, com o degelo crescente, os factos são tão evidentes que já ninguém duvida que as emissões poluentes que nas últimas gerações foram lançadas para a atmosfera,  bem como com os resíduos atirados aos mares e aos solos, iniciou-se um ciclo de destruição da natureza que inviabiliza a qualidade de vida das populações.

Urgem medidas políticas enérgicas e concertadas com todos os países e em todos os sectores de atividade, sob pena de nos estarmos a auto destruir.

 

As instituições de solidariedade não podem ficar alheias a este fenómeno. Temos por isso que traçar objetivos específicos, progressivos e muito firmes. Cientes de que temos que realizar investimentos, desejavelmente apoiados, de modo a que se reduzam as emissões e se fomente ao mesmo tempo o uso de energias renováveis nas atividades do nosso sector.

Temos entre outras medidas, que apontar nos seguintes temas:

- aproveitamento dos telhados e coberturas das nossas instalações para a produção de energia solar, seja para auto consumo ou para venda à rede.

- utilização progressiva de viaturas elétricas ou de outras de sistemas híbridos ou de baixas emissões.

- introdução de biomassa (estilhas de madeira e pellets) para aquecimento de piscinas, em especial nas valências que delas precisam no trabalho com deficientes entre outros.

- apostar na produção de alimentos de base vegetal, especialmente nos terrenos próprios de algumas instituições.

- aproveitar o sol para as águas de aquecimento, sem gastar combustíveis.

- apostar na melhoria do comportamento térmico dos edifícios e instalações.

- incrementar campanhas de plantação de árvores.

- substituir sistemas de iluminação de sódios e mercúrio para leds.

- assumir uma filosofia de economia circular nos fluxos das instituições, com reaproveitamento dos resíduos de umas atividades para matérias essenciais para outras.

- fazer a adequada separação para recolha seletiva dos resíduos não aproveitados na própria instituição.

-gerar por compostores orgânicos o aproveitamento dos sobrantes de cozinha

 Mas para o êxito destas e de outras ideias temos que envolver os colaboradores nestes objetivos. Para tal há que motivá-los e dar-lhes a adequada formação.

 

Algumas destas medidas têm que ser apoiadas com incentivos por parte das entidades oficiais.

A fiscalidade que incide sobre estas atividades tem que ser revista e deve gerar incentivos pela positiva, o que atualmente não acontece.

As taxas de IVA sobre os consumos de energia ou sobre a aquisição de viaturas menos poluentes são exemplos a ponderar.

Deveria em cada instituição ser feito um ponto de situação das emissões atuais com um diagnóstico específico de como melhorar esse balanço progressivamente, com cálculos económicos, de redução de emissões e de mudança de comportamentos.

Poderíamos replicar os bons exemplos e premiar simbolicamente os mais audazes nos resultados obtidos.

Um futuro Compromisso de Cooperação com o Estado, talvez tenha de ter também o Ministério do Ambiente e o das Finanças como subscritores a assumirem em conjunto com as IPSS objetivos concretos e ajudando à sua concretização.

A Cooperação com o Estado no domínio da mudança climática suscita outras dimensões de compromisso, para além das clássicas matérias da ação social, da saúde e da educação.

A produção dos nossos serviços e os equipamentos e instalações que usamos têm que merecer uma reflexão profunda. Não nos podemos alhear de um problema que é de todos.

Os milhares de edifícios que temos, as dezenas de milhares de viaturas que gerimos e as toneladas de resíduos que produzimos devem ser matéria para repensar soluções à luz das mudanças em curso.

A solidariedade tem hoje uma dimensão cada vez mais transversal e a resolução das grandes questões ambientais implica com todos nós e com as nossas instituições também.

José Macário Correia

 

Data de introdução: 2019-09-11



















editorial

Alta clínica sem alta social

Um dos aspetos que, desde há vários anos, vem sendo identificado como prejudicando a melhor afetação dos recursos alocados ao funcionamento do SNS consiste no facto de existir um número muito significativo de pessoas que, após um...

Não há inqueritos válidos.

opinião

OPINIÃO DE MARIA JOÃO QUINTELA

Contra a eutanásia
Múltiplas entidades vêm promovendo, desde há vários anos, a formação para profissionais de saúde que lidam com as matérias ligadas ao envelhecimento,...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A política no nosso tempo
O mundo em que vivemos é muito diferente do que foi noutras eras. Hoje, o mundo é mais complexo, mais contestado, mais competitivo, mais diversificado e muito mais dinâmico, já...