INE APRESENTOU AINDA O INQUÉRITO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO DE 2018

Conta Satélite da Economia Social 2016 revela fortalecimento do sector

Desde 2010 que o Instituto Nacional de Estatística (INE), em parceria com a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), tem elaborado a Conta Satélite da Economia Social (CSES), um documento publicado de três em três anos.
Tal como referiu Eduardo Graça, presidente da CASES, na sessão de apresentação da CSES 2016, “já é possível falar de uma série, pois esta já é a terceira edição”.
De facto, depois das CSES de 2010 e 2013, chega agora a Conta Satélite da Economia Social 2016, que apresenta uma grande diversidade de indicadores relativos à atividade do sector, através dos quais é evidente a sua crescente influência e importância no todo da economia portuguesa.
Logo à cabeça, surge o dado de que a Economia Social representou, em 2016, 3% do VAB (Valor Acrescentado Bruto).
Em resumo, no ano de 2016, o VAB da Economia Social representou 3,0% do VAB da economia nacional, tendo aumentado 14,6%, em termos nominais, face a 2013. Este crescimento foi superior ao observado no conjunto da economia, que ficou pelos 8,3%, no mesmo período.
Por outro lado, a Economia Social representou 5,3% das remunerações e do emprego total e 6,1% do emprego remunerado em toda a economia nacional.
Face a 2013, as remunerações e o emprego total da Economia Social aumentaram, respetivamente, 8,8% e 8,5%, evidenciando maior dinamismo que o total da economia (7,3% e 5,8%, respetivamente).
Por grupos de entidades da Economia Social, as Associações com fins altruísticos, onde pontifica o grande número das IPSS, mas também a coletividades de cultura, recreio e desporto, evidenciavam-se em número de entidades (92,9%), VAB (60,1%), remunerações (61,9%) e emprego remunerado (64,6%).
A sessão de apresentação da CSES 2016 serviu ainda para divulgar o Inquérito ao Trabalho Voluntário (ITV), realizado no último trimestre de 2018 e que se baseia num universo de pouco mais de três mil inquéritos.
A primeira conclusão a que o ITV 2018 chegou é que 695 mil pessoas, com 15 ou mais anos, participaram em atividades voluntárias sem remuneração.
Assim, a taxa de voluntariado em 2018 foi de 7,8%, tendo cerca de 695 mil pessoas da população residente, com 15 ou mais anos, participado em, pelo menos, uma atividade formal e/ou informal de trabalho voluntário.
A taxa de voluntariado feminina foi superior à masculina (8,1% contra 7,6%), enquanto o escalão etário predominante foi o dos 15-24 anos (11,3%).
Por outro lado, a participação no trabalho voluntário aumentou progressivamente com o nível de escolaridade (15,1% nos indivíduos com ensino superior), enquanto a taxa de voluntariado foi superior nos indivíduos desempregados (10,5%) e solteiros (9,1%).

 

Data de introdução: 2019-07-20



















editorial

XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL

(...) Sendo o Sector Social e Solidário um importante pilar do Estado Social e o principal agente na proteção social direta, estranha-se o quase desconhecimento da cooperação no programa do Governo já que as anteriormente citadas e...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Sobre um pensamento de JORGE DE SENA
Este ano comemora-se o centésimo aniversário de Jorge de Sena que nos deixou uma obra colossal. É da sua autoria a seguinte frase: “A verdadeira dimensão do humano...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

América Latina: de novo em foco
Houve tempos em que a América Latina constituía um tema importante e recorrente no espaço que os Meios de Comunicação dedicavam à vida política...