INE APRESENTOU AINDA O INQUÉRITO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO DE 2018

Conta Satélite da Economia Social 2016 revela fortalecimento do sector

Desde 2010 que o Instituto Nacional de Estatística (INE), em parceria com a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), tem elaborado a Conta Satélite da Economia Social (CSES), um documento publicado de três em três anos.
Tal como referiu Eduardo Graça, presidente da CASES, na sessão de apresentação da CSES 2016, “já é possível falar de uma série, pois esta já é a terceira edição”.
De facto, depois das CSES de 2010 e 2013, chega agora a Conta Satélite da Economia Social 2016, que apresenta uma grande diversidade de indicadores relativos à atividade do sector, através dos quais é evidente a sua crescente influência e importância no todo da economia portuguesa.
Logo à cabeça, surge o dado de que a Economia Social representou, em 2016, 3% do VAB (Valor Acrescentado Bruto).
Em resumo, no ano de 2016, o VAB da Economia Social representou 3,0% do VAB da economia nacional, tendo aumentado 14,6%, em termos nominais, face a 2013. Este crescimento foi superior ao observado no conjunto da economia, que ficou pelos 8,3%, no mesmo período.
Por outro lado, a Economia Social representou 5,3% das remunerações e do emprego total e 6,1% do emprego remunerado em toda a economia nacional.
Face a 2013, as remunerações e o emprego total da Economia Social aumentaram, respetivamente, 8,8% e 8,5%, evidenciando maior dinamismo que o total da economia (7,3% e 5,8%, respetivamente).
Por grupos de entidades da Economia Social, as Associações com fins altruísticos, onde pontifica o grande número das IPSS, mas também a coletividades de cultura, recreio e desporto, evidenciavam-se em número de entidades (92,9%), VAB (60,1%), remunerações (61,9%) e emprego remunerado (64,6%).
A sessão de apresentação da CSES 2016 serviu ainda para divulgar o Inquérito ao Trabalho Voluntário (ITV), realizado no último trimestre de 2018 e que se baseia num universo de pouco mais de três mil inquéritos.
A primeira conclusão a que o ITV 2018 chegou é que 695 mil pessoas, com 15 ou mais anos, participaram em atividades voluntárias sem remuneração.
Assim, a taxa de voluntariado em 2018 foi de 7,8%, tendo cerca de 695 mil pessoas da população residente, com 15 ou mais anos, participado em, pelo menos, uma atividade formal e/ou informal de trabalho voluntário.
A taxa de voluntariado feminina foi superior à masculina (8,1% contra 7,6%), enquanto o escalão etário predominante foi o dos 15-24 anos (11,3%).
Por outro lado, a participação no trabalho voluntário aumentou progressivamente com o nível de escolaridade (15,1% nos indivíduos com ensino superior), enquanto a taxa de voluntariado foi superior nos indivíduos desempregados (10,5%) e solteiros (9,1%).

 

Data de introdução: 2019-07-20



















editorial

DIREITOS DAS PESSOAS IDOSAS

(...) O envelhecimento humano é um dos únicos fatores naturais que interligam a todos; torna-se primordial o respeito à vida e à dignidade humana, o que é responsabilidade do poder público, mas também de todos os...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Os populistas e o descrédito do populismo
Nas últimas semanas, foram muitas as notícias protagonizadas por políticos que cultivam aquilo que vulgarmente se chama populismo, um vírus que vem marcando fortemente a vida...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Ensinamentos da pandemia
Vivemos um tempo único, que toca a todos e em todo o mundo. De repente, mudaram-se hábitos, atitudes, comportamentos e formas de pensar. Instalou-se a incerteza, a angústia, o medo e,...