ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O peso da História

A História pesa sempre na construção da identidade de um país. Em alguns casos, ela é mesmo invocada como factor decisivo na definição da consciência nacional de qualquer povo e mesmo como primeiro e último argumento para a reivindicação da sua independência. É por isso que a invocação da História serve muitas vezes para justificar conflitos e guerras mais ou menos duradouras e graves, como ainda acontece nos dias de hoje.

A prova mais visível e dramática desta afirmação foi a guerra do Kosovo cujas sequelas não foram ainda totalmente ultrapassadas, apesar da paz imposta há dez anos pela comunidade internacional. Foi uma guerra em que os principais contendores, sérvios e albaneses, sempre invocaram a História como motivo principal para as suas tensões. Já na actualidade, o caso mais recente de um conflito grave que tem a ver com a História, mas que por enquanto ainda é só diplomático, é o que diz respeito à Crimeia. E classificámo-lo com conflito grave, porque mexe com os interesses e princípios antagónicos dos Estados Unidos, da União Europeia e da Rússia, para além da Ucrânia, naturalmente.  

A Crimeia é uma península de vinte e seis mil quilómetros quadrados e dois milhões de habitantes. Situa-se mo leste da Europa e a sua soberania é reivindicada pela Ucrânia e pela Federação Russa. Trata-se de uma disputa que assume contornos particularmente graves, por via do contexto internacional em que surgiu e em que pode evoluir. Vladimir Putin sabe utilizar habilmente situações como esta para explorar o sentimento nacionalista e patriótico do povo russo. Não foi sem motivo que o presidente russo se deslocou recentemente àquela península para celebrar em clima festivo o quinto aniversário da sua anexação por Moscovo. 

A História confirma que a Crimeia tem uma forte ligação à Ucrânia e à Rússia. Em 1783, a península foi conquistada e incorporada no Império Russo. Em 1917, tornou-se uma república autónoma da então criada União Soviética. Finalmente, em 1954, Nikita Krushev entregou a sua soberania à Ucrânia como prova da amizade indestrutível entre os dois países. No entanto, a proclamada solidez dessa amizade não resistiu, por um lado, à queda do império soviético e, por outro, à aproximação que a Ucrânia começou a fazer ao Ocidente, desde então. Foi uma aproximação que Moscovo interrompeu há cinco anos o que valeu a Putin um aumento substancial da sua popularidade entre os eleitores russos...

Recuperar a Crimeia é apenas a mais recente das iniciativas de Putin no sentido de refazer o império russo sem recorrer à arma da ideologia comunista.  De qualquer modo, afigura-se claramente exagerado, e é pelo menos discutível, o argumento de que aquela península terá sido o berço da pátria russa, como defende Moscovo. Trata-se de mais um caso de instrumentalização da História.

Só que, nesta disputa à volta da Crimeia, bem se pode afirmar que a única certeza parece ser a de que a História não ajuda muito…

 

Data de introdução: 2019-04-11



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...