HENRIQUE RODRIGUES

Galiza-Norte de Portugal

1 - Regressado da Galiza, de merecidas férias, volto aos meus leitores do Solidariedade, ainda impregnado desse ar atlântico à flor da pele e da alma, a dar conta, como normalmente tenho feito, do que penso sobre alguns dos assuntos da Pátria, vistos à distância amiga e amena desse território tão vizinho do Norte de Portugal.

Mais meu vizinho do que de tantos outros portugueses; sou do Norte (melhor, sou do Porto), região de Portugal que é contígua à Galiza, e que constitui com ela o Noroeste Peninsular, de herança celta e de rosto atlântico comum.

O território do que viria a ser o Condado Portucalense, origem de Portugal, integrou, de resto, o Reino Suevo da Galiza, desde o século V até ao século XII, aquando do processo de instituição desse condado para D. Teresa e D. Henrique e da subsequente independência de Portugal.

Avisei, desde a minha primeira crónica do Solidariedade, há coisa de 15 anos, que o meu olhar sobre os temas aqui tratados seria sempre iluminado por essa perspectiva nortenha que é o meu modo de ver o mundo.

Hoje não vai ser excepção.

Em regra, começo o dia na esplanada da praia, lendo o Jornal de Notícias e La Voz de Galicia; um, para ir acompanhando o que se vai passando no nosso país; outro, para me impregnar melhor do ambiente da terra onde estou de férias.

Um dos assuntos que diariamente era tratado em La Voz de Galicia, aliás profusamente, ocupando editoriais, crónicas e opiniões de comentadores, tinha que ver com o conflito entre o Estado Espanhol e as autoridades da Catalunha, em torno do tópico do movimento separatista e independentista que estas últimas têm porfiadamente colocado no topo da agenda política do País vizinho.

Já assim sucedera em 2017: a Diada, 11 de Setembro, Dia Nacional da Catalunha, tem servido de pretexto para as forças independentistas mostrarem na rua a sua força, procurando apressar o processo da independência relativamente ao Estado Espanhol.

Também este ano a aproximação dessa data suscitou o reforço do tratamento noticioso do tema, nos diversos órgãos da imprensa, de que constitui exemplo o meu La Voz de Galicia matutino.

 

2 - Já em 2017 me tinha causado a mesma perplexidade: sendo a Galiza uma Comunidade Autónoma, com parlamento e governo próprio – um pouco à semelhança dos Açores e da Madeira, entre nós -, autonomia essa reconhecida no modelo constitucional espanhol após a queda da Ditadura franquista, na esteira desse longínquo Reino Galego do tempo dos suevos, e constituindo a ambição autonómica galega, com língua e cultura próprias, reprimidas manu militari durante a mesma Ditadura, um fenómeno conhecido e generalizado, designadamente nas elites, esperar-se-ia uma manifestação galega de solidariedade com os paladinos do reforço dessa outra autonomia, a da Catalunha.

Mas não é isso que acontece.

Quer o povo galego, quer os seus dirigentes – a Galiza é governada, a nível autonómico, pelo Partido Popular, ao passo que o Governo central é do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), também apoiado por uma geringonça -, quer as elites intelectuais, quer a imprensa, são mais ou menos unânimes na rejeição da ambição separatista catalã, bandeando-se para o lado de Madrid no conflito em pleno curso de agravamento entre os órgãos do Estado Central e o Governo e Parlamento catalães.

La Voz de Galicia, órgão tradicionalmente ligado às correntes democráticas e à autonomia da Galiza, zurzia diariamente, com acrimónia, os dirigentes políticos catalães e o processo separatista, colocando-se, não obstante o amor e a vontade de aprofundamento da autonomia própria da Galiza, do lado do poder central do Estado, contra as autoridades da Catalunha.

A transmissão dos jogos de futebol, tão frequente como cá, dava azo a mais um sinal dessas preferências e das opções da população mais indiferenciada: aplaudindo nos cafés por sistema o Real Madrid e desgostando-se com as vitórias do Barcelona.

Não se pode, no entanto, concluir que haja contradição entre a vontade de autonomia própria do antigo reino galego e a oposição à tentativa independentista da autonomia catalã.

O que retiro do que fui lendo no jornal é que na Galiza se deseja a autonomia – e se pretende mesmo aprofundá-la –, mas mantendo-se esse território integrado em Espanha, no Estado Espanhol; e o que se rejeita no movimento catalão é a circunstância de este pretender a secessão do Estado e a criação de uma república independente, fora do âmbito da Monarquia dos Bourbons.

 

– Já aqui tive ocasião, há alguns meses, de trazer à tona algumas ideias do que penso sobre o processo catalão.

Designadamente, entendo que o princípio da autodeterminação não se esgotou com as independências das antigas colónias que os países europeus possuíam disseminadas um pouco por todo o vasto mundo, havendo lugar, ainda hoje, à possibilidade de criação de novos países.

De resto, na própria Europa, na sequência da queda do Muro de Berlim, da dissolução da União Soviética e da Guerra dos Balcãs, muitos dos territórios que antes integravam o Império Austro-Húngaro, o Império Russo e o Império Otomano se converteram em países independentes, tendo em conta a existência de uma identidade e tradição histórica nesse sentido.

O nosso exemplo de Timor é bem ilustrativo que o facto de um território se encontrar enquadrado, com incómodo, num certo país não significa que, segundo um procedimento democrático e ajustado, não possa aceder à independência.

(Embora já me custe aceitar que uma maioria de deputados, mas que corresponde a uma minoria de eleitores, possa declarar unilateralmente a independência, sem prévia votação específica que assegura o respeito pela vontade da maioria, como é de regra nas democracias.

É o que se passa na Catalunha; e também, como pudemos constatar, se passou com Bush (filho) e Trump, eleitos presidentes dos Estados Unidos por um número de eleitores inferior ao dos seus adversários Democratas, Al Gore e Hillary Clinton.)

 

4 – Mas já vai longo o exórdio para a conclusão que aqui me traz.

E o meu ponto é o seguinte:

Quando, há cerca de 20 anos, se debateu entre nós o modo de cumprir a obrigação constitucional de proceder à regionalização de Portugal e se referendou o processo – que veio a soçobrar, como sabemos -, os adversários políticos desse modelo de Estado, entre os quais, e mais influentes, o actual Presidente da República, bem como a generalidade da Direita, utilizaram com substancial largueza o argumento ad terrorem de que a regionalização poria em causa a subsistência do Portugal “uno e indivisível”, o País da Europa com fronteiras estáveis mais antigas.

Ora, o exemplo da reacção galega às tentações separatistas catalãs – independentemente de se saber, aqui e agora, da legitimidade e justiça da separação, que não vem a propósito – é a melhor prova de que a autonomia não constitui uma ameaça à unidade do Estado.

Pelo contrário, favorece um desenvolvimento mais justo e equitativo das partes do território mais atrasadas e abandonadas pelo poder central, como também a Galiza permite comprovar.

Ainda sou do tempo em que ir à Galiza, mesmo a partir do Norte de Portugal, era passar a fronteira para um território mais pobre do que o nosso.

E hoje o salário médio na Galiza é cerca do dobro do que se pratica no Norte de Portugal.

Mas já cá caímos no que vem sendo um hábito: um partido com vocação de Governo que defenda a regionalização – como era o caso do PS de António Costa antes da geringonça -, cala rapidamente a ideia mal chega ao poder, transferindo a necessidade de aproximação à periferia para modalidades mais inócuas, como as medidas de “descentralização” que foram há pouco aprovadas.

Por sua vez, o outro partido-chave de Governo, o PSD, agora que está na oposição, já defende, com Rui Rio, a regionalização.

Deixará de a defender quando regressar ao Governo – calhando então ao PS a vez de retomar essa bandeira.

De modo que não se corra o risco de calhar estarem os dois de acordo ao mesmo tempo para uma reforma que exige o acordo de ambos para ser possível.

E cá pelo Norte continuarmos a derrapar em divergência com a Europa, empobrecendo alegremente – por conta do duvidoso privilégio de sermos o único país da Europa desenvolvida sem instância intermédia de poder político-administrativo.

Henrique Rodrigues – Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

 

Data de introdução: 2018-09-12



















editorial

CASAS DO POVO

1. As Casas do Povo foram criadas no regime do "Estado Novo" pelo Decreto-Lei n.º 23 051, de 23 de setembro de 1933, como peça chave da organização corporativa do trabalho rural. Funcionavam como organismos de...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Democracia à prova!
Portugal vai confrontar-se, a curto prazo, com um conjunto de testes à sua forma de organização como sociedade democrática!

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Comércio Internacional: a outra guerra
Parece que o mundo ultrapassou recentemente mais uma crise ameaçadora para a Paz no mundo. Falamos, claro está, da surpreendente aproximação entre a Coreia do Norte e os Estados...