ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

AMÉRICA CENTRAL: Eleições e instabilidade social

Entre os anos setenta e noventa do século passado, a América Central, foi objecto de grande interesse por parte da opinião pública internacional. Pelo menos, alguns dos países situados no istmo que liga a América do Sul à América do Norte tiveram, nesse período de tempo, um acompanhamento mediático que traduzia uma preocupação generalizada por aquilo que ia acontecendo naquela região. Tudo porque ali se travava uma guerra, embora indirecta, entre as duas superpotências que então dominavam o mundo: os Estados Unidos e a União Soviética.

Entre as batalhas ideológicas que deram rosto a essa guerra, algumas mereceram uma preocupação muito particular, como foi o caso dos conflitos que se travaram na Nicarágua e na República de El Salvador. No entanto, um outro estado da América Central veio recentemente chamar a atenção dos Media, embora por razões que não atingiram a gravidade daquilo que ocorreu naqueles dois países. Trata-se da República das Honduras, um país cuja história subsequente à proclamação da sua independência, em 1821, ficou marcada pela instabilidade interna e pelas interferências externas, sobretudo pelas que tinham origem nos Estados Unidos.

Ainda recentemente, 2009, as Honduras conheceram uma crise política que foi protagonizada pelo então presidente da República, Manuel Zelaia, um homem que, originalmente tinha ligações à direita, mas que, paulatinamente, deu sinais de aproximação à esquerda dita bolivariana. O seu propósito de alterar a Constituição do país levou o Supremo Tribunal a decretar o seu afastamento do cargo e o seu exílio para a Costa Rica, numa decisão que teve o apoio das chefias militares. A crise foi aparentemente resolvida uns anos depois, com o seu regresso às Honduras, mas voltou à ribalta em 2017, a pretexto dos resultados das últimas eleições presidenciais.

Zelaia não concorreu directamente a este sufrágio, mas foi apoiante declarado de Salvador Nasralla, um candidato da oposição que terá perdido por uma pequena diferença para Juan Fernandez, o ainda presidente que se apresentava à reeleição. Desde então, ambos os dois concorrentes e os seu apoiantes reclamam o triunfo, e o país ficou suspenso do veredicto do Tribunal Eleitoral que acabou por confirmar a derrota de Nasralla e de Zelaia.

Apesar desse veredicto e da sua confirmação pela Organização dos Estados Americanos e pela União Europeia, os vencidos ainda não deram sinais de aceitação dos resultados, colocando o país num cenário que não será propício à paz e ao desenvolvimento. Mais uma prova de que, em certos países, o recurso a eleições pode constituir um factor de instabilidade social.   

 

Data de introdução: 2018-01-05



















editorial

Legislativas 2019

No contexto da pré-campanha eleitoral para as Eleições Legislativas de 2019 surgiram várias propostas e foram enunciadas algumas preocupações que conectam diretamente com o que são as competências e a tradição...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A conetividade como condição de sobrevivência das instituições
O conceito que no século XX mais influência teve na economia global, no mundo do trabalho e na vida dos cidadãos foi a globalização. Embora não tenha sido a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong
Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter...