ASSOCIAÇÃO DO MONTE PEDRAL, PORTO

Galardão «Ajudar Faz Bem» atribuído a Almeida e Sousa

Francisco de Nápoles Ferraz de Almeida e Sousa é o homenageado do galardão «Ajudar Faz Bem» 2017, distinção atribuída pela Associação do Monte Pedral, Porto.
Nascido a 28 de julho de 1921, o engenheiro Almeida e Sousa será alvo da homenagem da Associação do Monte Pedral, no Porto, no dia em que celebrará 96 anos.
Homem que muitos ajudou e fez bem no associativismo empresarial e no coletivismo social, o homenageado foi ainda vereador, deputado, empresário e gestor em várias empresas, com destaque para a EDP e para a Associação Empresarial de Portugal.
Para além disto, Almeida e Sousa foi sempre um cidadão dedicado à cultura, ao empreendedorismo e à solidariedade, tendo sido igualmente dirigente de várias associações e instituições, com especial destaque para a UDIPSS Porto e para o Lar Nossa Senhora do Livramento.
Assim, no dia 28 de julho, no decorrer de um jantar-convívio a realizar no Palácio do Freixo, no Porto, será atribuído o primeiro galardão «Ajudar Faz Bem» com uma peça artística exclusiva da autoria do Arquiteto António Machado.
Numa sociedade cada vez mais desumanizada e com menos tempo para o outro, é muito importante parar para pensar e elogiar o bem que se vai fazendo, porque ajudar faz bem!
Foi com base neste pensamento que a Associação do Monte Pedral instituiu, no seu 140º aniversário, a criação e atribuição do galardão «Ajudar faz Bem», que irá anualmente distinguir uma personalidade ou pessoa da cidade do Porto que se tenha empenhado e destacado no apoio à família. Este galardão é como que o corolário da missão desta instituição, homenageando e perpetuando quem ajudou e fez bem ao longo da vida.
O júri 2017 foi constituído por Francisco Carvalho Guerra, Rui Carvalho Pedroto, padre Lino Maia, Maria de Fátima Graça e Paulo d’Almeida Santos.

 

Data de introdução: 2017-07-27



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....