FUNDAÇÃO NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, FUNCHAL

Há 170 anos a acolher e a apoiar os mais desprotegidos da Madeira

“Diz a história que é uma das mais antigas de Portugal e a mais antiga da Madeira a nível de assistência social”, afirma Celeste Silva, diretora da Fundação Nossa Senhora da Conceição, instituição que está a celebrar 170 anos. Hoje trabalha a autonomia dos jovens que acolhe e tenta ajudar as famílias a ganharem competências para receberem os filhos retirados.
Nasceu em 1847 como Asilo de Mendicidade e Órfãos, para responder e acolher aos desvalidos da vida. Desenvolveu esse apoio durante largos anos, mantendo igualmente uma secção destinada ao acolhimento de crianças desprotegidas.
Porém, com a transferência de grande parte dos idosos para o Asilo Dr. João Abel de Freitas, nos anos 1930, e o substancial crescimento da secção destinada às crianças, o seu propósito alterou-se, até porque em 1951 atingiu o recorde de quase 320 petizes acolhidos.
Então, em 1959, a instituição procedeu à alteração da sua denominação e objetivos, passando a designar-se Abrigo Infantil de Nossa Senhora da Conceição.
No ano passado, por força da alteração dos estatutos, e sendo que juridicamente já era uma fundação, passou a chamar-se Fundação Nossa Senhora da Conceição, até porque a anterior designação tinha uma forte carga pejorativa.
Atualmente, a média anda pelos 40 jovens institucionalizados, com idades entre os dois e os 21 anos, e face às ajudas que são disponibilizadas às famílias, os casos que chegam à instituição são, segundo Celeste Silva, “sempre muito problemáticos”.
Para além da casa de Acolhimento, com capacidade para 50 jovens, a Fundação tem ainda um jardim-de-infância, com três salas, frequentado por crianças da comunidade e da casa de acolhimento.
Por outro lado, a instituição tem ainda três apartamentos, com capacidade para seis jovens, que formam a Residência de Autonomia de Vida.
“É um projeto que está pronto a ser lançado, em propriedade da Fundação, mas com a problemática dos incêndios no Funchal em 2016 e a necessidade de realojar os afetados, alugámos temporariamente por um ano ao Instituto de Habitação da Madeira com esse fim. Mas o projeto está pronto”, garante a diretora da instituição, que sublinha a aposta na autonomia da vida feita pela Fundação: “Aqui na instituição temos desenvolvido programas de autonomia de vida. Lidar com uma jovem com 16, 17, 18 anos passa sempre por lhes dar a devida responsabilidade e integração, porque o objetivo de todos é a reintegração social. Há aqueles que o são mais cedo, com regresso à família ou passam para processos de adoção, e outros jovens que saem com programa de autonomia de vida, pelo que precisam de algum apoio para se organizarem”.
Apesar de ser uma casa grande, Celeste Silva destaca o esforço para que o ambiente seja o mais familiar possível.
“É uma casa grande e familiar e está organizada em cinco unidades. Uma de emergência, a qualquer hora do dia ou da noite podemos receber uma jovem ou uma criança, e que é mista, mas os meninos recebemos até 10, 12 anos, porque a casa sendo um edifício uno não está preparada para ter uma adolescência conjunta. E depois temos duas unidades específicas para meninas e duas para meninos. Cada unidade tem uma sala de convívio equipada com televisão e um pequeno serviço de lavandaria”, revela, sublinhando: “Esta é uma casa grande, com capacidade para 50 miúdos, mas está organizada em pequenas unidades e criámos uma estrutura para que haja um funcionamento profissional, técnico, mas familiar. Não temos a pretensão de substituir a família, mas queremos proporcionar-lhes o ambiente mais familiar possível”.
Sobre os utentes, a diretora afirma que atualmente são mais do sexo feminino do que do masculino, “mas em idades mais infantis a procura é mais para meninos”.
Esta, como todas as instituições do género trabalham normalmente com “situações limite”.
“Ainda bem que já não vivemos num sistema assistencialista e as famílias recebem muitos apoios sociais para além do apoio que recebem das instituições. Mas muitas vezes essas respostas são ativadas junto das famílias durante dois ou três anos, mas a situação não se reverte e a criança tem que ser retirada. Quando se fala em acolhimento residencial, fala-se de uma situação limite, pelo que esta problemática não se pode centrar apenas na criança, mas também na família e no contexto. E aí temos que lidar com uma série de problemas, como a interação com a família e com as próprias crianças. Há aqui uma exigência muito grande em termos de intervenção, porque são famílias muito desgastadas por diversos problemas”, sustenta Celeste Silva.
Para a diretora da instituição do Funchal, mais do que um problema económico-financeiro, o que se lhes depara é um problema de desestruturação familiar.
“Há aqui três grandes fatores de risco que identifico nestas famílias e nestas crianças: Um é a saúde mental dos pais, que é muito afetada, com todos os problemas associados; outro é a problemática dos consumos, da toxicodependência e do alcoolismo; e depois a desestruturação familiar, porque uma família separada não é um problema se não tiver outros problemas associados e pode exercer a parentalidade, mas se está separada, se há problemas de consumos e associados aos de saúde mental, as coisas não funcionam”, argumenta, acrescentando “ainda um outro fator de risco que é a violência doméstica e que está ligada a estas situações todas”.
Celeste Silva insiste que o problema financeiro “não é o mais difícil de responder”, apesar de não deixar de ser um problema, como é “o desemprego, que vai desgastando uma família que entra em disfunção”.
Por outro lado, “a interação com a família é um desafio muito grande, porque o normal é as famílias estarem descontentes com a retirada da criança, descontentes com o tribunal, com a Segurança Social e com a instituição”.
Ora, para esta técnica, “há que encontrar caminhos de diálogo e fazer um caminho de confiança”.
E muitas vezes o sucesso acontece. “Isto tem acontecido em situações de muito stresse, mas depois acabam por ver que acabam por tirar benefícios inclusive para gerir os comportamentos dos filhos, como o absentismo escolar e os comportamentos desviantes. Acho que, acima de tudo, há uma falta de autoridade dos pais”, aponta Celeste Silva, afirmando: “Costumo dizer aos jovens que eles têm direito de ter deveres. E os jovens necessitam de exigência, de desafio e de contenção. Com agrado conseguimos ter sucesso em algumas situações, mas isto é como em tudo, temos que trabalhar com humildade e competência”.
Sobre a situação financeira da Fundação, sabendo-se que estas respostas sociais são normalmente deficitárias, Celeste Silva é bastante pragmática: “Sem dívidas e sem reservas. Em termos de receitas a Fundação vive de acordos. No jardim-de-infância temos um acordo com a Secretaria Regional da Educação, que comparticipa sobretudo as despesas com pessoal e dá algum apoio nas despesas correntes, e na casa de acolhimento é com a Segurança Social. Depois, temos um ou outro donativo, uma ou outra colaboração de alguma empresa, sobretudo em serviços, como é o caso dos campos de férias em Porto Santo”.
Neste particular, o presidente Francisco Carreira sublinha a grande solidariedade dos madeirenses para com a Fundação ao longo de toda a vida da instituição, que conta… 170 anos.
“Os madeirenses têm sido desde sempre solidários com a instituição. Só foi possível termos vindo a fazer o que temos vindo a fazer porque tem havido muita colaboração de muita gente e de muitas empresas. Desde 1993, a casa passou por um profundo processo de reestruturação e sem esse apoio das mais variadas entidades não seria possível fazê-lo”.
E se o passado é longo, os responsáveis pela Fundação não deixam de olhar o futuro com ambição.
“Estamos atentos ao que se passa e vamos tentando criar soluções à medida que os problemas surgem”, começa por dizer Francisco Carreira, acrescentando: “Numa casa com 170 anos, o trabalho está sempre incompleto. Este tipo de problemas com que lidamos é algo que julgamos ser possível encontrar soluções, mas as décadas vão passando e o problema mantém-se sempre atual. Daí ser necessária a nossa existência e de outro tipo de instituições e soluções que tendem a persistir na nossa sociedade e agora com novos contornos”.
Por seu turno, Celeste Silva acrescenta que a intenção “é investir sempre com respostas atualizadas à infância e juventude, o que é sempre um desafio” e “investir em projetos de autonomia de vida”.
Mas há mais projetos a abraçar no futuro. “Queremos lançar um projeto de maior apoio às famílias e falo de uma experiência que estamos a começar a implementar, em que, por exemplo, uma mãe vem até aqui e ajuda os filhos nos trabalhos das escolas, dá-lhes banho e leva-os ao fim de semana. Esta é uma daquelas mães que tem grande dificuldade em exercer a autoridade”.
Trabalhar centrados na criança/jovem, não perdendo a família de mira é o caminho que os responsáveis da Fundação Nossa Senhora da Conceição têm trilhado e que pretendem continuar a trilhar.

 

Data de introdução: 2017-05-19



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....