ESTUDO PEN-3S

Mais idade e maior dependência na base da desnutrição dos idosos em lar

A desnutrição ou risco de desnutrição entre os idosos portugueses é o dobro entre os que estão em lares quando se compara com os que vivem em casa.
Esta é uma conclusão do estudo «PEN-3S: Estado nutricional dos idosos portugueses», cujos resultados preliminares foram apresentados no 12.º Congresso Internacional da Sociedade de Medicina Geriátrica da União Europeia, a decorrer em Lisboa.
O estudo visou caracterizar os hábitos alimentares e o estado nutricional dos mais velhos a viver em comunidade e em lares de todo País.
O facto de os idosos nos lares serem mais velhos, mais dependentes e mostrarem mais sinais de depressão são os factos apontados para justificar tão acentuada diferença.
Coordenado pelo geriatra Gorjão Clara, do Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, o estudo é uma ferramenta para conhecer melhor a dimensão do problema entre os idosos, para além de facilitar a identificação dos fatores determinantes de malnutrição e ainda, a nível dos cuidados de saúde primários e dos lares, implementar um rastreio de pessoas em risco nutricional.
Em 2015 viviam em Portugal 2,1 milhões de idosos, segundo o Instituto Nacional de Estatística, sendo que o estudo, financiado por fundos EEA Grants, da Noruega, Islândia e Lichtenstein, teve uma amostra de 2.296 idosos (com e mais de 65 anos), cerca de metade a residir em lares e os restantes em casa, representativa da população idosa em Portugal. Foram excluídos do inquérito idosos acamados e com demência grave.
Os resultados do estudo entre os portugueses revela que 4,8% dos idosos em lares estão em situação de desnutrição e 38,7% em risco de desnutrição (43,5% no total), valores que descem para os 0,6% e 16,9%, respetivamente quando avaliados os idosos a viver em casa (17,5% somando as duas variáveis).
As taxas de depressão também são mais elevadas nos idosos que estão em lares – 47% quando na comunidade são 25% –, tal como as situações de dependência, 87% contra 30% na comunidade.
Estes resultados acompanham a tendência internacional, mas com valores ligeiramente mais baixos. Os estudos internacionais mostram que nos lares a percentagem de idosos desnutridos é de 21% e 52% estão em risco de desnutrição. Já entre os que vivem em casa, 4,2% estão desnutridos e 27% em risco de desnutrição.
“A prevalência de malnutrição aumenta com a idade e nos lares, em média, os idosos são mais velhos dos que estão na comunidade. Também nos lares a prevalência de depressão e dependência – os dois indicadores aumentam de forma significativa a malnutrição, influência válida para lares e para a comunidade – é superior. Isso pode explicar porque nos lares há mais casos de desnutrição e risco de desnutrição”, disse, ao Diário de Notícias, Teresa Madeira, investigadora da Faculdade de Medicina de Lisboa, sublinhando que “não é por estar no lar que o idoso está pior”.
“Não sabemos como é que estas pessoas estariam se vivessem em casa, mas podemos colocar a hipótese de que estariam piores se não tivessem cuidadores para preparar as refeições, fazer as compras, cozinhar, suporte que o lar oferece”, concluiu.
O estudo testou ainda um sistema informático que permite detetar idosos em risco de malnutrição e assim encaminhá-los para consultas especializadas para avaliação das causas e evitar uma situação grave de doença.

 

Data de introdução: 2017-02-22



















editorial

MANTER E APROFUNDAR A INTERVENÇÃO DAS IPSS (por João Carlos Dias)

Depois do importante papel que desempenharam, decisivo para suportar as consequências da grave crise que vivemos e ainda sem tempo de recuperar do esforço despendido, as IPSS são confrontadas com novos desafios que não escolheram, mas que terão...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Não há idade para trabalhar
Ora cá está uma boa notícia, que não tem de meter política, daquela política politiqueira: a idade não é obstáculo para encontrar trabalho!As...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Carros e camiões: a nova arma do terrorismo
O recente atentado de Westminster veio confirmar a impossibilidade, de uma vitória definitiva no combate ao terrorismo. Os grandes responsáveis pela política mundial não se...