CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DE SÃO BENTO, RIBEIRA BRAVA

Celebrar duas décadas de olhos no futuro

O Centro Social e Paroquial de São Bento (CSPSB) da Ribeira Brava comemorou, no passado dia 11 de agosto, o seu 20º aniversário. Para assinalar a data, houve uma festa no Lar de São Bento com churrasco, animação musical e socialização entre dirigentes, entidades oficiais, funcionários, amigos do Centro e outros convidados.
Com a festa, e através da dinamização de atividades de lazer, a intenção era fomentar a motivação profissional, promover o convívio, a relação e o espírito de equipa. E esta é uma forma de desenvolver relações interpessoais próximas e fluídas com todas as valências da instituição, mostrando a cada funcionário a importância da união de todos para um melhor desenvolvimento das atividades laborais como um todo. Para muitos, este é um momento único no ano, na medida em que é uma possibilidade de reencontrarem os colegas e de experienciar momentos diferentes, enquanto dão um pezinho de dança.
De facto, passaram duas décadas desde que um grupo da comunidade de Ribeira Brava uniu esforços por uma causa, em prol da população com vulnerabilidades ao nível do apoio às crianças e aos idosos do concelho. A instituição foi crescendo e abraçou a política de fazer mais e melhor. A qualidade, a inovação e a solidariedade são o pilar da sua intervenção.
Na prossecução dos seus objetivos, a instituição desenvolve as valências de Estrutura Residencial Para Idosos (ERPI), Residência para Idosos, Centro de Dia, Centro de Convívio, Serviço de Apoio Domiciliário e ainda Apoio Social na Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados e Casa de Abrigo para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica.

«O PEQUENO RODRIGO»

A celebração dos 20 anos de vida do Centro Social e Paroquial de S. Bento da Ribeira Brava, na ilha da Madeira, teve como cereja no topo do bolo (de aniversário) a apresentação do livro «O Pequeno Rodrigo», da autoria de Magna Rodrigues, diretora-técnica da Casa de Abrigo, que tem ilustrações elaboradas pelas crianças da instituição.
A história debruça-se sobre a problemática da violência doméstica e a difícil decisão de integrar uma Casa de Abrigo, retratando experiências e a importância do apreço e da valorização de cada um.
Os responsáveis do CSPSB pretendem utilizar o livro como instrumento no momento do acolhimento na Casa de Abrigo, visto esclarecer dúvidas, quer das mulheres quer das crianças. Por outro lado, é também uma forma de sensibilizar aquelas famílias que vivenciam situações de violência doméstica e que ainda não tiveram a coragem de abandonar essas relações abusivas.

 

Data de introdução: 2016-10-20



















editorial

DIREITOS DAS PESSOAS IDOSAS

(...) O envelhecimento humano é um dos únicos fatores naturais que interligam a todos; torna-se primordial o respeito à vida e à dignidade humana, o que é responsabilidade do poder público, mas também de todos os...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Os populistas e o descrédito do populismo
Nas últimas semanas, foram muitas as notícias protagonizadas por políticos que cultivam aquilo que vulgarmente se chama populismo, um vírus que vem marcando fortemente a vida...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Ensinamentos da pandemia
Vivemos um tempo único, que toca a todos e em todo o mundo. De repente, mudaram-se hábitos, atitudes, comportamentos e formas de pensar. Instalou-se a incerteza, a angústia, o medo e,...