PADRE JOSÉ MAIA

Programa de Reformas do Estado

Concluído o ciclo das eleições legislativas e presidenciais, aprovado e promulgado o orçamento de Estado para 2016, o país acabou de receber do governo uma proposta de PROGRAMA DE REFORMAS DO ESTADO para debate e posterior aprovação.

À partida, e tendo como pano de fundo uma certa acalmia político-partidária, tarefa para a qual tem contribuído a forma como o atual Presidente da República vem exercendo o seu magistério de influência, será bem-vindo tudo o que puder contribuir para uma nova fase da vida política, social, económica do país. É bom que o Governo informe os portugueses sobre o destino que pensa dar à “pipa de massa” que, através do Portugal 2020, será transferida por Bruxelas para Portugal.

Neste sentido, é bom que haja um escrutínio dos cidadãos ao destino que será dada a estas verbas, na expetativa de que esses dinheiros possam ser para “investimentos” que possam reproduzir riqueza e não para pagamento de “despesas” muitas vezes feitas sem qualquer retorno financeiro, económico e social.

O Governo, ao apresentar o Programa de Reformas, elegeu como prioritários os seguintes objetivos: aposta na “Formação e Qualificação”, “Inovação na Economia”, “Valorização do Território”, “Modernização do Estado”, “Reforço da Coesão Social”, “Capitalização das Empresas”.

Dada a linha editorial deste jornal SOLIDARIEDADE, comentarei apenas a reforma denominada: “reforço da coesão social”, declarando, à partida, que muito tem de ser feito neste domínio, e feito muito depressa, para prevenirmos o risco de ver Portugal transformado, a médio prazo, num asilo de pessoas idosas completamente desamparadas!

Considerando a preocupação que tem existido (e bem) em evitar “inconstitucionalidades” nas várias medidas governativas aprovadas, chamo a atenção para o respeito que deverá merecer ao Governo o ponto 1 do artigo 72º da Constituição da República: “as pessoas idosas têm direito à segurança económica e a condições de habitação e convívio comunitário que respeitem a sua autonomia pessoal e evitem e superem o isolamento ou marginalização social”.

Em devido tempo, e por iniciativa do Ministro atual Ministro Vieira da Silva, foi publicado o Decreto-Lei nº 115/2006, de 14 de junho, que criou e regulamentou a REDE SOCIAL.

Sem querer alongar-me, cito apenas o ponto 1 do artigo 3º desta REDE, que consigna os seguintes objetivos para esta REDE;

- “ promover um planeamento integrado e sistemático, potenciando sinergias, competências e recursos”;

- “ garantir uma maior eficácia e uma melhor cobertura e organização do conjunto de respostas e equipamentos sociais ao nível local”.

Aqui fica, por esta via, um primeiro contributo para o debate sobre o PROGRAMA DE REFORMAS DO ESTADO.

 

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2016-04-09



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...