JUNHO DE 2015

PORTUGAL 2020

1. "2010 deve marcar um novo recomeço. Nos últimos dois anos, milhões de pessoas perderam o seu emprego. Será necessário suportar durante muitos anos o peso da dívida gerada pela crise, da qual resultaram novas pressões sobre a nossa coesão social. A crise veio, por outro lado, revelar algumas verdades fundamentais sobre os desafios com que a economia europeia está confrontada.
A Europa tem de regressar ao bom caminho e manter o rumo. É este justamente o objectivo da estratégia Europa 2020: criar mais emprego e assegurar melhores condições de vida. Esta estratégia demonstra a capacidade da Europa para gerar um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo, para encontrar os meios para criar novos postos de trabalho e para propor um rumo claro às nossas sociedades."(José Manuel Barroso in Prefácio "Comunicação da Comissão" Europa 2020)

2. Até 2020, a União Europeia pretende alcançar cinco ambiciosos objetivos: na educação (reduzir o abandono escolar precoce para menos de 10% e pelos 40% dos mais jovens devem ter formação superior), na inclusão social (20 milhões de pessoas devem sair do risco de pobreza), na investigação e desenvolvimento (3% do PIB da UE deve ser gasto em I&D), no clima/energia (redução de 20% dos gases efeito estufa, redução de 20% do consumo de energia, através da eficiência energética e aumento de 20% das energias renováveis) e no emprego (75% da população com idade entre 20 e 64 anos deve estar empregada).
Estes exigentes objetivos são apoiados por sete iniciativas emblemáticas que servem de enquadramento para atividades conjuntas da UE e das autoridades nacionais nas seguintes áreas: economia digital, eficiência na utilização dos recursos, emprego, inovação, juventude, pobreza e política industrial.
É neste contexto que surge o "Portugal 2020", Acordo de Parceria realizado entre Portugal e a Comissão Europeia, no qual se definem os princípios de programação que consagram a política de desenvolvimento económico, social e territorial, a promover no nosso país, entre 2014 e 2020. Estes princípios de programação deverão estar alinhados com os da estratégia europeia.
No Portugal 2020 foram definidos os Objetivos Temáticos para estimular o crescimento e o emprego, as intervenções necessárias para os concretizar e as realizações e os resultados esperados com estes financiamentos.
Os principais objetivos das políticas a prosseguir no Portugal 2020 são a transferência de resultados do sistema científico para o tecido produtivo, a integração das pessoas em risco de pobreza e combate à exclusão social, a promoção do desenvolvimento sustentável, a capacitação, modernização e racionalização da Administração Pública, a redução dos níveis de abandono escolar precoce, o estímulo à produção de bens e serviços transacionáveis, o incremento das exportações, o cumprimento da escolaridade obrigatória até aos 18 anos e o reforço da coesão territorial.
É a primeira vez que existe um Programa Operacional exclusivamente dedicado à Inclusão Social e Emprego – POISE.

3. Neste momento, está aberta a candidatura para as organizações que fazem parte do CNES. A CNIS, nessa qualidade, vai apresentar uma candidatura a todas as ações elegíveis, com o objetivo de ficar mais robustecida para melhor apoiar as associadas.
A criação de um gabinete de apoio técnico com pólos de atendimento será a nossa grande prioridade. A divulgação de boas práticas e o desenvolvimento de ações que permitam a criação do trabalho em rede, bem como a inovação e o empreendedorismo social associados às novas tecnologias, também farão parte da nossa candidatura. Os estudos e as bases de dados são elementos fundamentais para qualificar a nossa intervenção por isso nos candidataremos.
Lamentavelmente, não se pode dizer que as intervenções formativas organizadas com recurso à metodologia de formação-ação, aqui previstas, são dirigidas para as nossas IPSS. Esse seria nosso desejo, não só por ser a metodologia de formação mais eficaz, como, também, por muitas instituições manifestarem a sua vontade em participar num programa de formação ação à semelhança dos que foram realizados anteriormente.
A CNIS vai também promover Encontros Regionais em colaboração com as CCDR para que estes organismos públicos possam esclarecer sobre as possibilidades de candidatura existentes nos seus programas regionais. O calendário será brevemente anunciado.
Muitos dirigentes já terão participado em sessões de apresentação do Portugal 2020. Contudo será oportuno tratar este assunto por várias razões:
Em primeiro lugar, para sublinhar o contexto em que ele foi concebido para ajudar a fazer candidaturas de forma mais informada;
Em segundo lugar, para dar a informação disponível, quer no que respeita à CNIS, quer em relação às instituições;
Por último, para insistir na necessidade de atenção sem ansiedade, própria ou induzida por terceiros que no Portugal 2020 encontram o seu modo de vida. As candidaturas têm de ser relevantes para as instituições e para as pessoas das comunidades em que estão inseridas porque só assim contribuirão para se atingir os exigentes objetivos que foram assumidos a nível nacional e europeu.
Deve-se aprender com alguns erros do passado: as coisas não podem, não devem, ser feitas porque há “dinheiro barato”, mas porque são necessárias, relevantes e porque vão permitir obter os resultados desejados.

Lino Maia

 

Portugal 2020

Para a concretização dos objetivos de Portugal 2020 existe um envelope financeiro no valor global de mais de 25 mil milhões de euros suportados pelos 5 Fundos Europeus Estruturais e de Investimento - Feder, Fse, Fundo de Coesão, Feader e Feamp.
Esta verba foi distribuida pelos vários Programas Operacionais Temáticos e  pelos Programas Regionais do Continente e Regiões Autónomas, da seguinte forma:

Quadro 

Programas Operacionais Temáticos

Valor *

% Total

Competitividade e Internacionalização - PO CI

4414

17,4%

Capital Humano - PO CH

3096

12,2%

Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos - PO SEUR

2253

8,9%

Inserção Social e Emprego - PO ISE

2130

8,4%

Desenvolvimento Rural - PDR

3583

14,2%

Mar - PO MAR

392

1,5%

Assistência Técnica - PO AT

138

0,5%

Sub- Total

16006

63,2%

Programas Operacionais Regionais

Valor *

% Total

Norte

3379

13,3%

Centro

2155

8,5%

Alentejo

1083

4,3%

Lisboa

833

3,3%

Algarve

319

1,3%

Sub - Total

7769

30,7%

Açores

1140

4,5%

Madeira

403

1,6%

Sub -total

1543

6,1%

Total Nacional

25318

100%

(*Milhares de Milhões de euros)

A comparticipação dos Fundos Europeus é diferenciada em função do nivel de desenvolvimento das regiões:
Regiões Menos Desenvolvidas – Norte, Centro, Alentejo e R.A. dos Açores (PIB per capita inferior a 75% da média da UE) – Taxa de comparticipação 85%
Região em Transição – Algarve ( PIB per capita entre 75% e 90% da média da UE) – Taxa de comparticipação 80%
Regiões Mais Desenvolvidas – Lisboa e R.A. da Madeira ( PIB per capita superior a 90% da média da UE) – Taxa de comparticipação Lisboa 50%, R.A. Madeira 85%.

 

Data de introdução: 2015-06-12



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...