ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

O norte de África e o terrorismo islâmico

O recente ataque a um dos mais famosos museus da cidade Túnis, o museu do Bardo, veio confirmar os receios que acompanham a expansão do “estado islâmico” para o norte de África. Por se tratar de um museu, e pelo facto de algumas das vítimas do atentado fazerem parte de um grupo de turistas que participava num cruzeiro pelo Mediterrâneo, a notícia teve um grande impacto na maioria dos países da Europa, alguns dos quais parece não terem avaliado ainda suficientemente a ameaça da nova “guerra santa” liderada pelo EI.

Por muitas razões, o norte do continente africano transformou-se em terreno fértil para o crescimento de grupos islâmicos radicais, muitos deles com ligações à Al Qaeda, ligações que deram origem à AQMI, ou a Al Qaeda do Magreb Islâmico. A morte da Ossama Bin Laden representou um duro golpe para esta organização, mas o aparecimento e afirmação de um novo califado, ainda mais radical e ambicioso, veio renovar a militância desses grupos, cujo centro congregador mais próximo se situa na Líbia, um país que, após o desaparecimento de Kadhafi, mergulhou numa anarquia tão abrangente como perigosa. Os centros de acampamento e de treino dos voluntários que pretendem integrar as forças do novo califado situam-se bem perto da fronteira com a Tunísia, e esta corre assim o risco de se transformar em alvo fácil para esses militantes da nova djhiad. O que aconteceu com o ataque ao museu do Pardo é apenas um exemplo.

Foi na Tunísia que nasceu a chamada primavera árabe. Esta chegou a outros países, mas teve uma duração demasiado efémera e não deixou muitos sinais a não ser na própria Tunísia que resistiu, embora com muitas dificuldades, aos problemas levantados por avanços e recuos na procura da democracia social e política que tão festejada foi na sequência da queda de Ben Ali, em 2011. Esses avanços e recuos estiveram ligados à afirmação de partidos mais ou menos conotados com o islamismo, chegando-se a temer que a ditadura laica de Ben Ali viesse a ser substituída por uma ditadura confessional, protagonizada pelo partido Ennahda, o que não chegou a acontecer. Razão mais que suficiente para os radicais do novo califado tentarem integrar a Tunísia no mapa geopolítico do seu “estado islâmico”.

Para já, ainda não o conseguiram, mas nada garante que não continuem a tentar.  

 

Data de introdução: 2015-04-05



















editorial

Legislativas 2019

No contexto da pré-campanha eleitoral para as Eleições Legislativas de 2019 surgiram várias propostas e foram enunciadas algumas preocupações que conectam diretamente com o que são as competências e a tradição...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A conetividade como condição de sobrevivência das instituições
O conceito que no século XX mais influência teve na economia global, no mundo do trabalho e na vida dos cidadãos foi a globalização. Embora não tenha sido a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong
Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter...