ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

França: o presidente e o novo governo

O partido socialista francês sofreu uma derrota pesada nas recentes eleições municipais. Saudado vivamente por toda a esquerda europeia, aquando do seu triunfo sobre Sarkozi, Holande foi, durante algum tempo, o símbolo e a esperança de todos os europeus cuja bandeira era a rejeição das políticas de austeridade e dos seus grande mentores, particularmente a Alemanha e a sua chanceler Angela Merkel.

No entanto, alguns meses depois de tomar posse, já se percebia que o governo dava sinais de não poder concretizar as suas promessas eleitorais, sobretudo nas vertentes financeira, social e económica. Holande não o disse, mas acabou por meter os seus ideais na gaveta. O mal estar foi crescendo e a esquerda em geral, e o partido socialista em particular, foram perdendo para a direita e para a extrema direita as suas bases tradicionais de apoio. Foi um movimento social e político que teve a expressão mais clara no resultado dessas eleições.

Reconhecendo a extensão da derrota, Holande tratou rapidamente de nomear um novo primeiro ministro, a quem entregou a tarefa de formar um executivo diferente. Chamou-lhe de combate, embora o mais correcto fosse chamar-lhe de emergência. Para essa função, escolheu Manuel Vals, um francês de origem catalã, que integrava o anterior governo, e que era o mais popular de todos os seus membros.

Vals tinha sido um ministro polémico, quer no conteúdo das suas decisões, quer no seu seu estilo de comunicar e governar, mas o facto é que uma grande parte dos franceses, à esquerda e à direita, revia-se nessas decisões e gostava do seu estilo. Por isso mesmo, e apesar da discordância de muitos dos seus apoiantes, Holande fê-lo seu primeiro ministro.

À primeira vista, tratava-se de mais uma cedência à direita, pelo menos até se conhecer a formação completa do executivo. Nesta formação merece destaque a escolha dum novo ministro da Economia, suficientemente conhecido pela sua oposição ao neoliberalismo, à globalização e à austeridade, uma escolha difícil de perceber face aos compromissos neoliberais já assumidos por Holande. Mas para descanso do presidente, Armand Montbourg não tem a seu cargo as Finanças do país nem vai representar a França nas reuniões da UE sobre esta matéria. Seja como for, o primeiro desafio de Holande será o de conviver e sobreviver às tensões que a composição do seu novo governo vai gerar.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2015-02-04



















editorial

Legislativas 2019

No contexto da pré-campanha eleitoral para as Eleições Legislativas de 2019 surgiram várias propostas e foram enunciadas algumas preocupações que conectam diretamente com o que são as competências e a tradição...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

A conetividade como condição de sobrevivência das instituições
O conceito que no século XX mais influência teve na economia global, no mundo do trabalho e na vida dos cidadãos foi a globalização. Embora não tenha sido a...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A China e o desafio de Hong Kong
Já lá vão umas largas semanas sobre o início da crise social e política que atingiu Hong Kong, uma crise que, pelo menos aparentemente, ainda está longe de ter...