ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

França: o presidente e o novo governo

O partido socialista francês sofreu uma derrota pesada nas recentes eleições municipais. Saudado vivamente por toda a esquerda europeia, aquando do seu triunfo sobre Sarkozi, Holande foi, durante algum tempo, o símbolo e a esperança de todos os europeus cuja bandeira era a rejeição das políticas de austeridade e dos seus grande mentores, particularmente a Alemanha e a sua chanceler Angela Merkel.

No entanto, alguns meses depois de tomar posse, já se percebia que o governo dava sinais de não poder concretizar as suas promessas eleitorais, sobretudo nas vertentes financeira, social e económica. Holande não o disse, mas acabou por meter os seus ideais na gaveta. O mal estar foi crescendo e a esquerda em geral, e o partido socialista em particular, foram perdendo para a direita e para a extrema direita as suas bases tradicionais de apoio. Foi um movimento social e político que teve a expressão mais clara no resultado dessas eleições.

Reconhecendo a extensão da derrota, Holande tratou rapidamente de nomear um novo primeiro ministro, a quem entregou a tarefa de formar um executivo diferente. Chamou-lhe de combate, embora o mais correcto fosse chamar-lhe de emergência. Para essa função, escolheu Manuel Vals, um francês de origem catalã, que integrava o anterior governo, e que era o mais popular de todos os seus membros.

Vals tinha sido um ministro polémico, quer no conteúdo das suas decisões, quer no seu seu estilo de comunicar e governar, mas o facto é que uma grande parte dos franceses, à esquerda e à direita, revia-se nessas decisões e gostava do seu estilo. Por isso mesmo, e apesar da discordância de muitos dos seus apoiantes, Holande fê-lo seu primeiro ministro.

À primeira vista, tratava-se de mais uma cedência à direita, pelo menos até se conhecer a formação completa do executivo. Nesta formação merece destaque a escolha dum novo ministro da Economia, suficientemente conhecido pela sua oposição ao neoliberalismo, à globalização e à austeridade, uma escolha difícil de perceber face aos compromissos neoliberais já assumidos por Holande. Mas para descanso do presidente, Armand Montbourg não tem a seu cargo as Finanças do país nem vai representar a França nas reuniões da UE sobre esta matéria. Seja como for, o primeiro desafio de Holande será o de conviver e sobreviver às tensões que a composição do seu novo governo vai gerar.

António José da Silva

 

Data de introdução: 2015-02-04



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...