DEZEMBRO DE 2014

ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015

1. No dia 25 de Novembro, na Assembleia da República, decorreu a votação final global que aprovou o Orçamento do Estado para 2015. Não sendo espectável o pedido de fiscalização preventiva de constitucionalidade pelo Presidente da República, começará com normalidade um ano que se prevê mais tenso porque ano de eleições.

Muitos são os olhares sobre o Orçamento. Há notas que podem ser relevadas.

Enquanto ali se retomam medidas que já vinham do Orçamento do ano em curso, nesse instrumento de intervenção económica e social prevê-se que a despesa com o ensino básico e secundário decresça 11,3% em comparação com 2014, que o Rendimento Social de Inserção (RSI) e o Complemento Social para Idosos (CSI) vão sofrer uma redução de 2,8% e 6,7%, respetivamente, e que o valor previsto para as prestações de desemprego e de apoio ao emprego vai sofrer um corte de 10,6%, perdendo mais de 243 milhões de euros relativamente ao Orçamento de 2014.

Como apreciação, parcial, parece claro que a continuação da recuperação económica terá particular incidência no aumento da receita de contribuições sociais e na redução da despesa com prestações de desemprego.

2. No que às Instituições de Solidariedade (IPSS) diz respeito, para o exercício fiscal de 2015, o Orçamento do Estado estabelece que as taxas das suas contribuições para a Segurança Social aplicáveis serão aumentadas de 21,2% para 21,6%, (beneficiando de uma descida de 0,75 pontos percentuais na Taxa Social Única - TSU - para os colaboradores que aufiram o salário mínimo nacional) como previsto no Código Contributivo de 2010, mantendo-se em 11% para os trabalhadores.

Enquanto isso, as IPSS vão continuar a poder receber a consignação de IRS relativa ao programa e-fatura, num valor estimado superior a 14,6 milhões de euros.

Contudo, as notas mais manifestas no OE poderão estar relacionadas com o imposto sobre o valor acrescentado (IVA). Por um lado, determina-se aí a manutenção da isenção de IVA nas transferências entre Instituições e a repristinação do regime da sua restituição previsto nas alíneas a) e b) do nº 1 do artigo 2º do Decreto-Lei nº 20/90, de 13 de Janeiro (que concede à Igreja Católica e às IPSS algumas isenções em sede de IVA), em montante equivalente a 50 % do IVA suportado, exceto nos casos de operações abrangidas pelo nº 2 do artigo 130º da Lei nº 55-A/2010, de 31 de Dezembro, (ou seja: o IVA suportado pelas IPSS nas aquisições de bens e serviços relacionados com a construção, manutenção e conservação de imóveis utilizados total ou principalmente na prossecução dos respetivos fins estatutários, desde que constantes de faturas, sem IVA, de valor não inferior a € 997,60), relativamente às quais se mantém em vigor o direito à restituição de um montante equivalente ao IVA suportado, por se tratar de operações com cofinanciamento público.

Porém, a verdadeira novidade no Orçamento está no facto de, no próximo ano, as Instituições de Solidariedade poderem reaver metade do IVA pago na compra de bens alimentares, o que pode significar uma poupança na ordem dos 11 milhões de euros (cerca de 0,39%) para o conjunto de todas as IPSS. A medida abrangerá creches, lares de idosos, instituições que trabalham com deficientes ou que levem refeições a casa das pessoas.

Concretamente, na redação do artigo 212 do OE, prevê-se que, durante o ano de 2015, é restituído um montante equivalente a 50 % do IVA suportado pelas instituições particulares de solidariedade social, bem como pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (estatal), relativamente às aquisições de bens ou serviços de alimentação e bebidas no âmbito das atividades sociais desenvolvidas.

3. Serviço público são as atividades e serviços ligados à administração estatal não só através de seus agentes e representantes, como também exercidos por outras entidades, mesmo que particulares, sempre visando promover o bem-estar e os direitos humanos da população para a fruição direta por seus membros individualmente.

Os serviços públicos tendem a ser considerados tão essenciais para a vida moderna que suas provisões universais precisam de ser garantidas por razões morais, e algumas estão até mesmo associadas com direitos humanos fundamentais.

Quando (sempre) as Instituições de Solidariedade não só não visam o lucro como, sobretudo, promovem direitos fundamentais, inscritos na Constituição, para a fruição direta da população, privilegiando todos os mais carenciados que nunca são os próprios promotores, estão a prestar serviço público, pelo que o regime fiscal a que estão sujeitas tem de ser bem diferente do regime do sector lucrativo.

O Orçamento do Estado para 2015 não penaliza diretamente as Instituições de Solidariedade e até parece beneficiá-las quando, mantendo uma ilusória situação favorável, acrescenta a tal possibilidade de recuperação de 50% do IVA das refeições. Medida simbólica, porém, que  pode e deve ser encarada como um pequenino "passo" numa direção que se impõe: as IPSS prestam serviço público pelo que o seu regime fiscal deve ser equiparado ao das Autarquias.

O estabelecimento de um enquadramento legal da cooperação será o próximo passo. Passo necessário e certeiro.

Lino Maia

 

Data de introdução: 2014-12-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...