SAÚDE

Mais de 500 mil mães morrem anualmente na gravidez ou no parto

Mais de meio milhão de mães morre anualmente em todo o mundo durante o parto ou a gravidez, revela o relatório anual da Organização Mundial de Saúde (OMS). O relatório "Dê-mos uma oportunidade a cada mãe e a cada criança" adianta ainda que quatro milhões de recém- nascidos morrem antes de completarem 28 dias de vida, nomeadamente por falta de higiene.

Num total de 136 milhões de nascimentos por ano, menos de dois terços das mulheres dos países em desenvolvimento dão à luz com a ajuda de uma pessoa qualificada, salienta o estudo.
O relatório diz ainda que nos países menos desenvolvidos, nomeadamente da África subsariana, a proporção cai para menos de um terço. De acordo com a directora do departamento de saúde familiar da OMS, Marie-Paule Kieny, duas horas de hemorragias após o parto são suficientes para provocar a morte.

A Organização Mundial de Saúde considera a morte de mais de meio milhão de mulheres durante a gravidez ou o parto "um escândalo" e defende que as soluções são "simples e baratas". No relatório anual sobre a saúde no mundo, a OMS apela aos países membros para que invistam na formação do pessoal de saúde no sentido de ajudar as mulheres grávidas ou que acabem de dar à luz.

Em 2000, a comunidade internacional comprometeu-se em reduzir a mortalidade materna em três quartos e a mortalidade infantil em dois terços antes de 2015. "Ao ritmo actual, certos países não atingirão esses objectivos antes de 150 anos", refere David Aittken, outro director da OMS.

Nos 75 países onde a situação é mais grave é necessário investir anualmente cerca de sete milhões de euros para que nos próximos dez anos se consigam atingir os objectivos do milénio. A situação sanitária das mães e dos recém-nascidos tem vindo a estagnar no Afeganistão, Angola, República Democrática do Congo e Burkina Faso. O Ruanda, o Quénia, o Turquemenistão, a Zâmbia e o Zimbabué são países que registaram progressos, mas que poderão entrar em recessão. Segundo a OMS, esta recessão acontece em países com uma situação política difícil que provoca um desmoronamento do sistema de saúde
Educação.

 

Data de introdução: 2005-04-22



















editorial

Olhando o presente perspetivando o futuro

Nesta "estação de pandemia" parece estarmos em descensão, reconquistando, pouco a pouco, uma "nova normalidade". 

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Pandemia e tensões políticas
É hoje evidente que, para além das suas consequências sanitárias, o chamado novo coronavírus está a provocar, um pouco por toda a parte, inegáveis...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Três aspetos positivos da crise e seis pontos a atender para o futuro
Sobre os últimos meses e da forma como o País e as autoridades públicas reagiram à pandemia retiro três aspetos positivos. O primeiro tem a ver com o elevado nível...