Kofi Annan diz que o mundo perdeu uma voz insubstituível

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, voltou a homenagear a figura de João Paulo II ao considerar que o mundo perdeu “uma voz insubstituível”. 

Annan falava em Genebra aos delegados reunidos para a sessão anual da comissão dos direitos humanos. Aos presentes, o secretário-geral da ONU apresentou o Papa falecido como um exemplo. 

João Paulo II, defendeu, “era uma voz que defendia a paz, a liberdade, a religião, o mútuo e a compreensão entre os povos e os crentes”.
“Espero que todos os que defendem os direitos humanos possam, mesmo neste período de luto, comprometer-se no seguimento destes aspectos da sua mensagem”, apontou Kofi Annan, que esta tarde partirá para Roma, a fim de participar no funeral do Papa.
Dia 6 de Abril, a Assembleia Geral das Nações Unidas prestou homenagem a João Paulo II, na abertura de um debate sobre a reforma da ONU. Sete oradores, representando os grupos geográficos dos Estados-membros, bem como representantes dos EUA, Polónia e Santa Sé sucederam-se na tribuna para falar de “um homem de paz”. 

“O Papa transmitiu coragem e esperança a todos os oprimidos, os mais pobres e os mais fracos, com paixão pela liberdade e a solidariedade”, disse o Observador Permanente da Santa Sé na ONU, D. Celestino Migliore.
.

 

Data de introdução: 2005-04-09



















editorial

Olhando o presente perspetivando o futuro

Nesta "estação de pandemia" parece estarmos em descensão, reconquistando, pouco a pouco, uma "nova normalidade". 

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Pandemia e tensões políticas
É hoje evidente que, para além das suas consequências sanitárias, o chamado novo coronavírus está a provocar, um pouco por toda a parte, inegáveis...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Três aspetos positivos da crise e seis pontos a atender para o futuro
Sobre os últimos meses e da forma como o País e as autoridades públicas reagiram à pandemia retiro três aspetos positivos. O primeiro tem a ver com o elevado nível...