MEDICAMENTOS COMEÇAM A SER DISTRIBUÍDOS NO SRI LANKA

Caritas Portuguesa já aplica donativos

A Caritas Portuguesa anunciou que as 6,9 toneladas de medicamentos enviadas no primeiro avião português, que partiu para o Sri Lanka com ajuda humanitária, já estão a ser canalizadas para estruturas médicas locais. “Segundo informação do MNE português, um lote destes medicamentos já foi enviado para o Hospital da cidade de Jafna, localizada a norte do Sri Lanka. 

As organizações médicas portuguesas, que estão a trabalhar neste país, também receberam uma parte dos medicamentos enviados pela Cáritas”, refere o comunicado do organismo. Os restantes medicamentos, do total enviado pela Cáritas Portuguesa, ficarão na cidade de Colombo, e serão administrados pelas autoridades de saúde do Sri Lanka. 

A organização católica já começou a aplicar parte dos donativos feitos na conta “Cáritas Portuguesa Ajuda Vítimas do Sudeste Asiático” que, até ao momento, recolheu mais de 800 mil Euros (Conta na CGD, NIB: 003506970063091793082). 

No contentor enviado para o Sri Lanka foram empregues 24.620 Euros e a ajuda para a Confederação Internacional da Cáritas – “Caritas Internationalis” – cifrou-se nos 100 mil Euros. A Cáritas Portuguesa comparticipou ainda no pagamento do avião com ajuda humanitária que partiu para a Indonésia (valor total : € 185.000) com 15 mil Euros.

Entretanto, a confederação internacional da Cáritas considera que as populações do sudeste asiático precisam de um plano de acção humanitária “a longo prazo”, de forma a fazer face ao “maior desastre natural dos tempos modernos”.

O secretário-geral da “Caritas Internationalis”, Duncan MacLaren, escreve na sua mensagem de Ano Novo que o organismo católico para a solidariedade e a acção social respondeu de imediato à tragédia, enviando equipas internacionais para assistir a Cáritas na Índia e Sri Lanka, além de ter recolhido mais de 35 milhões de dólares para ajudas humanitárias.“É importante, agora, formular respostas a longo prazo”.

 

Data de introdução: 2005-01-11




















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...