FAS3

É o projecto mais exigente de todos

Apresentada que está mais uma Formação Acção Solidária promovida pela CNIS e numa fase em que as primeiras sessões de formação já estão no terreno, o SOLIDARIEDADE ouviu a principal responsável pelo projecto, a assessora Palmira Macedo, que juntamente com alguns elementos da Universidade Católica, do Porto, coordenarão todo o FAS3. Das palavras da assessora da CNIS ressalta que este é um projecto maior e bem mais exigente do que os dois anteriores. Por seu turno, os responsáveis pelas IPSS que integramo FAS3 há um grande entusiasmo e a certeza de que esta é uma formação muito útil, não apenas para o momento presente, mas especialmente no sentrido de acautelar o futuro.

SOLIDARIEDADE - O que é o FAS3?

Palmira Macedo - Este FAS3 é uma consequência dos dois anteriores e resulta daquilo que vimos sentindo como sendo as necessidades das instituições que trabalham connosco e com quem temos estado a trabalhar nas duas anteriores formações. No final do FAS2, percebemos que a dificuldade que as instituições estavam a sentir era mesmo a questão da sustentabilidade e, por isso, fizemos esta candidatura. A metodologia da Formação - Acção mantém-se e os objectivos gerais também, mas com o enfoque na sustentabilidade. A grande alteração surge ao nível da consultoria, que vai ter mais horas – no FAS2 foram 20 a 25 horas, agora serão 80 horas por instituição –, que serão repartidas por um consultor-formador, que fará todo o acompanhamento e a ligação com a equipa do projecto e que irá elaborar o diagnóstico económico-financeiro, sendo coordenado por um consultor-coordenador da Universidade Católica, que irá definir as metodologias de intervenção.

Qual o principal objectivo do aumento das horas de consultoria?

Este aumento tem que ver com o facto de necessitarmos de fazer uma caracterização bem aprofundada da instituição para elaborar o plano de intervenção. Os três primeiros meses vão servir essencialmente para fazer a caracterização e definir muito bem a estratégia de intervenção, pelo que precisamos destas horas de consultoria. A intervenção vai ser depois na Formação - Acção que vai ter acções muito diversificadas adaptadas a cada instituição. Neste processo a fase inicial vai ser decisiva.

Para além de poder tentar resolver problemas do imediato, o FAS3 tem como grande propósito preparar o futuro?

Esta formação é concebida para dar resposta a problemas que existam e tentar ultrapassá-los. Nós temos, no fundo, que treinar as pessoas para saberem responder às dificuldades que vão surgindo. E se elas ficarem bem treinadas esta formação perdurará para além do projecto.

Houve interesse de mais IPSS em integrarem este FAS3?

Numa primeira auscultação chegámos a 160 instituições, depois fizemos a candidatura para 93 e ficámos com 81… cortaram-nos 12, mas há distritos que têm lista de espera.

E esta é uma formação só para dirigentes ou também para técnicos?

A Formação - Acção nas instituições é para dirigentes, para técnicos e para todos os trabalhadores. Vai haver módulos em que vão estar praticamente só dirigentes, outros só trabalhadores de determinadas áreas, noutros sobretudo auxiliares, etc… A formação padronizada, que chamamos de Gestão para Dirigentes, quando a concebemos era fundamentalmente para os voluntários dos órgãos sociais, mas também já admitíamos que estes fossem convidar os directores-técnicos. E também admitimos que técnicos que tenham sobre si responsabilidades na gestão que também necessitem deste treino e de adquirir estas competências.

Quais são as expectativas para estes 18 meses de FAS3?

Nós iniciamos sempre estes projectos com alguma apreensão, mas temos sempre a motivação de que tem que correr muito bem e que tem que cumprir os objectivos. Este é mais ambicioso do que os anteriores, porque as IPSS vão ter que ficar treinadas para dar resposta a situações que já existam, mas também a possuir os instrumentos que lhes permitam resistir no futuro. Como disse o padre Lino Maia, estamos a trabalhar com as IPSS e as instituições ou estão empenhadas e a coisa resulta muito bem, senão podemos ter os melhores formadores e as melhores estratégias que nunca teremos sucesso. Esta reunião deixou-nos mais optimistas.

IPSS DESTINATÁRIAS

Pelo lado das IPSS destinatárias, o SOLIDARIDADE ouviu algumas opiniões que agora aqui deixa.
Rogério Monteiro (presidente do Centro de Bem-Estar Social de Glória do Ribatejo, Salvaterra de Magos): “Percebemos que esta acção que é levada a cabo pela CNIS trazia inovação, conhecimento e melhoria e a instituição que dirijo está aberta a tudo isso. Após esta sessão fiquei ainda com mais expectativas de que esta acção vai ser um sucesso. Assegurar a sustentabilidade é o dia-a-dia de quem dirige estas instituições… A nossa instituição, actualmente, não está num momento de grande aflição, mas entendemos que o futuro é uma coisa incerta e esta acção vai-nos preparar para termos instrumentos no futuro para resolver situações com que nos iremos deparar e irão ser muitas, com certeza”.

António José Onofre (vice-presidente do Centro Social Paroquial Moita dos Ferreiros, Lourinhã): “O que nos fez candidatar ao FAS3 foi a preocupação dos Corpos Sociais, bem como da Direcção-Técnica, da instituição com a qualidade e com a sustentabilidade, que é o ponto-chave no actual momento. Todas as acções que existirem neste âmbito são importantíssimas para que consigamos a sustentação das instituições. É importante o contributo de todos, pois faz um todo melhor para a instituição e para os utentes e só assim seremos capazes de responder às necessidades actuais e à falta de dinheiro que no momento actual as IPSS estão a sentir. Estas formações, e assim consigamos aderir e aprender com elas, são importantes para nos sensibilizar para um maior acompanhamento e sabermos melhor no que é que estamos a mexer. A minha instituição é relativamente pequena, mas já movimenta um milhão de euros por ano… Já é uma empresa que não tem que ser rentável, mas tem que ser sustentável”.

Carlos Lemos (presidente da Associação Fermentelense de Assistência, Águeda): “Quando participei na fase final do FAS2 tomei conhecimento do FAS3 e, desde aí, a necessidade de formação para todos os funcionários e dirigentes e o facto de preparar melhor a sustentabilidade da instituição é uma mais-valia. A nível de sustentabilidade, esta acção poderá abrir-nos os olhos para pequenas questões que pensamos estar a fazer bem e que, por vezes, estamos a fazer mal sem o sabermos. A nível de formação dos funcionários, penso que vai ser um grande contributo. A boa vontade não chega e como somos voluntários, muitas vezes, a nossa formação não é vocacionada para estas áreas. Por isso mesmo estamos no FAS3 para que a instituição continue a andar no bom caminho”.

 

Data de introdução: 2013-03-07



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...