FAS3

Enunciado de acções a realizar

Com o FAS3 pretende-se colocar ao serviço das IPSS destinatárias um conjunto de «facilitadores», formadores especializados e de «espaços» de trabalho em comum que possam ajudar os seus dirigentes e colaboradores a dar os passos necessários no sentido de instituírem, de uma forma organizada e sustentável, e que perdure para além do projecto, procedimentos internos de garantia de sustentabilidade, de auto-avaliação participada, de atenção às necessidades das populações servidas e de prestação de contas à sociedade.
E é por considerar que para assegurar a sustentabilidade de uma instituição cujos procedimentos dependem muito da qualificação dos dirigentes e do pessoal ao serviço destas entidades, que a equipa do projecto delineou que o núcleo duro do projecto consistirá em tarefas de formação - acção a realizar nas entidades destinatárias do projecto com a ajuda desses «facilitadores» e formadores.
Assim, num processo que se pretende o mais participativo possível, incluindo todos os colaboradores, flexível e adequado à realidade específica da instituição, simples e nunca perdendo de vista as populações servidas e suas necessidades, ao longo dos 18 meses do projecto serão realizadas diversas acções, que incluirão 200 horas de Formação - Acção individualizada (algumas regiões terão mesmo 250 horas) e ainda 80 horas de consultoria.
No início da intervenção, em cada IPSS, será realizado: um diagnóstico participado, com vista à caracterização da instituição, ao envolvimento de todos, dirigentes e colaboradores; um Plano de Formação; um Plano de Melhoria para a Sustentabilidade; um Diagnóstico Económico-Financeiro, que será fundamental e orientador de toda a intervenção formativa do projecto (este Diagnóstico Económico-Financeiro será a ferramenta-chave para identificar fragilidades e oportunidades de intervenção através da formação-acção orientadas para a capacitação interna na resposta às questões identificadas).
Pretendendo-se um «fato feito à medida» de cada uma das IPSS destinatárias, o trabalho de consultoria em cada uma das 81 instituições será realizado por consultores devidamente habilitados para o efeito e enquadrados por um consultor coordenador e pela equipa técnica do projecto. Neste particular, serão despendidas 25 horas com as consultoras contratadas pela CNIS e 45 horas com o consultor coordenador.
Os consultores deverão identificar, de uma forma participada pelos dirigentes e colaboradores, as necessidades e possibilidades de melhoria nos processos de gestão, o plano de formação e elaborar um diagnóstico económico-financeiro.
Uma outra fase do projecto, e que encerra igualmente uma importância extrema é o Curso de Gestão para Dirigentes, para o qual cada IPSS destinatária poderá indicar entre 3 e 5 dirigentes e/ou directores.
Os cursos terão a duração de 60 horas, em horário pós-laboral, e serão ministrados em sessões semanais de seis horas durante 10 semanas.
O grande objectivo desta acção é o de capacitar os dirigentes nas áreas de Planeamento Estratégico para a Sustentabilidade, Gestão de Pessoas, Liderança e Negociação, Informação Contabilística de Apoio à Gestão, Gestão Financeira, Problemas e Políticas Sociais e Direito do Trabalho.

 

Data de introdução: 2013-03-07



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...