TOXICODEPENDÊNCIA NOS QUARTÉIS

Unidade de drogas trata 130 militares por ano

Cerca de 130 militares, dos três ramos das Forças Armadas, são tratados todos os anos na Marinha por dependências de álcool, tabaco ou outras drogas. A Unidade de Tratamento Intensivo de Toxicodependência e Alcoolismo (UTITA) existe há 18 anos e também reabilita elementos das forças de segurança e civis. 

A dependência de nicotina e álcool são os principais problemas. Mas também há casos de viciados noutras drogas, como a cocaína, a cannabis ou mesmo a heroína. Estas últimas substâncias são, no entanto, mais frequentes entre civis, até porque «os militares fazem análises clínicas com frequência», explicou ao PortugalDiário uma responsável da UTITA. 

Segundo os responsáveis pelo departamento, cerca de 60 por cento dos doentes ¿ militares e civis - são recuperados com sucesso. Entre os militares, a taxa de sucesso atinge mais de 80 por cento. Um pouco mais difícil é o tratamento da dependência de tabaco. Apenas 38 por cento dos viciados no cigarro conseguem deixar de fumar. 

Para os elementos da Marinha, o serviço de tratamento é totalmente grátis. Os militares do Exército, da Força Aérea, da GNR, e os polícias da PSP pagam um «preço reduzido». A Unidade aguarda ainda a assinatura de «um protocolo com as forças de segurança para melhorar ainda mais as condições de acesso dos seus elementos doentes». 

Fonte: Portugal Diário

 

Data de introdução: 2004-10-21



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...