SOLIDARIEDADE SOCIAL

Ministério de Vieira da Silva é o que sofre maior redução

O Governo vai extinguir vinte estruturas do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, no âmbito do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE), apresentado pelo ministro das Finanças.

O Ministério tutelado por José Vieira da Silva é dos que sofre uma maior redução nas suas estruturas, com a extinção de 5 órgãos consultivos, 10 serviços centrais, 1 estrutura de missão e 4 outros, que incluiu as estruturas a externalizar e descentralizar.

Este Ministério "sofre uma forte redução de estruturas", com a concentração dos órgãos de governação global, a concentração dos órgãos de inspecção e a concentração nas principais missões".

No plano dos órgãos consultivos e comissões, desaparece o Conselho Nacional para a Prevenção e Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil, o Conselho Nacional para
a Família e Criança, a Comissão Nacional de Promoção dos Ofícios e Microempresas Artesanais.

No suporte à governação, as actuais 5 estruturas dão lugar a apenas 2, nomeadamente o Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais e a Inspecção-geral do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social.

Quanto ao suporte à gestão de recursos, os actuais 3 organismos passam a apenas uma Secretaria-geral e ao Instituto de Informática. O maior corte ocorre nos serviços operacionais, mantendo-se o Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu, o Gabinete de Gestão do EQUAL, o Instituto de Emprego e Formação Profissional, o Instituto de Segurança Social, o Instituto de Gestão Financeira (que vai passar a integrar o Fundo de Garantia Salarial), o Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização e a Casa Pia.

Surgem 4 estruturas com uma nova designação: Autoridade para as Condições de Trabalho, a Direcção-Geral do Emprego e Relações de Trabalho, a Direcção-geral da Segurança Social e o Instituto Nacional de Reabilitação. O Instituto António Sérgio e o Inatel são para externalizar. Mantém-se a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

31.03.2006

 

Data de introdução: 2006-04-06



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...