UNIÃO DAS IPSS DE BRAGA

As instituições sociais estão no fio da navalha

O presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) de Braga alertou que aqueles organismos vivem "no fio da navalha" em termos de sustentabilidade financeira, uma situação agravada com a subida do salário mínimo.
Em declarações à Lusa, José Antunes disse que ou as comparticipações do Estado para os acordos de cooperação sobem para os 50%, ou então as IPSS podem ter de cortar nas respostas sociais que dão à comunidade.
"Estamos literalmente no fio da navalha. É o aumento do salário mínimo, é a inflação, são os custos da eletricidade, é toda uma série de fatores que nos deixam em sérias dificuldades", referiu.
Ressalvou que "obviamente" concorda com o aumento do salário mínimo, mas disse que as IPSS precisam de apoio para suportar mais esse encargo adicional.
Esta quarta-feira, a União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Braga vai ter uma audiência com o Presidente da República, para lhe dar conta das preocupações das IPSS.
A UDIPSS de Braga tem cerca de 300 associados, com capacidade para 55 mil utentes.
No total, conta com 44 mil acordos de cooperação com a Segurança Social.
"Neste momento, a comparticipação estatal anda à volta dos 40%, mas urge que esse valor suba rapidamente para os 50%, em nome da sustentabilidade financeira das IPSS", apontou José Antunes.
Para este responsável, é também preciso acelerar a execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), com o pagamento atempado das comparticipações aprovadas.
"Muitas vezes, com os atrasos que se têm registado, as comparticipações chegam quando o preço dos bens a adquirir já aumentou consideravelmente, o que se traduz num óbvio prejuízo", referiu.
José Antunes disse ainda que vai alertar Marcelo Rebelo de Sousa para a necessidade de consagrar o "direito à proteção social" na Constituição.
A necessidade de construção de mais lares residenciais para deficientes e a criação de condições financeiras para a contratação de mais técnicos são outras questões que as IPSS de Braga vão fazer chegar ao Presidente da República.

 

Data de introdução: 2024-01-23



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...