ELEUTÉRIO ALVES, ORGANIZADOR DA XV FESTA DA SOLIDARIEDADE

É uma chamada de atenção para o sector social solidário

A cidade de Viana do Castelo será no dia 24 de setembro de 2022 a anfitriã da XV FESTA DA SOLIDARIEDADE. A anteceder esta Festa, a CHAMA DA SOLIDARIEDADE vai percorrer, entre os dias 21 e 24, todos os concelhos deste distrito.
Eleutério Alves, vice-presidente da CNIS, tem sido o responsável máximo por esta iniciativa que já conta com 14 edições.

SOLIDARIEDADE - A XV Festa da Solidariedade vai ser em Viana do Castelo. Que razões estiveram na origem da escolha deste concelho?
ELEUTÉRIO ALVES - A Festa e a Chama da Solidariedade são dois eventos culturais, interligados e anuais que a CNIS vem promovendo desde o ano de 2007 em parceria com as Uniões Distritais associadas da CNIS. Tem percorrido o país, e digo o país porque cada ano é realizada em distritos diferente, e já teve lugar nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Em 2022 havia apenas seis distritos onde a Festa ainda não teve lugar. A direção da CNIS auscultou os distritos em causa sobre o interesse e a vontade de coorganizar a Festa deste ano e a União Distrital de Viana do Castelo manifestou essa disponibilidade. Para o ano será outro distrito a receber o evento.

Qual é o modelo desta Festa?
A Festa tem um formato base que contempla uma manhã com animação em palco e, ao início da tarde, um momento institucional com intervenções de diferentes responsáveis institucionais onde se incluem a CNIS, a União das IPSS distrital, a Câmara Municipal e o Governo. Este momento para além das intervenções inclui a chegada da Chama ao local da Festa e o acender da pira que vai permanecer acesa ao longo de todo o dia.  Após esta cerimónia a festa continua pela tarde fora com mais animação em palco. A animação será desenvolvida por grupos de IPSS locais e de muitas outras, que se deslocam de todo o país para participar, e artistas convidados que gratuitamente se disponibilizaram para nos brindar com o melhor que a música portuguesa tem. Em paralelo e no mesmo local as IPSS terão um espaço e condições para promoverem os seus interesses e dar a conhecer a todos os presentes as boas-práticas de cada uma, seja na prestação de serviços, no artesanato, na gastronomia, enfim, tudo o que entenderem dever ser mostrado e partilhado, porque esta Festa é essencialmente um tempo de partilha.

O que destaca do programa da XV Festa da Solidariedade?
Todo o dia da Festa é significativo, todo o programa é aliciante e interessante, por isso vale a pena, no dia 24 de setembro, todos os que puderem e quiserem, ter um dia diferente e dedicá-lo àqueles que nos 365 dias de cada ano dão o seu melhor para que outros tenham qualidade e dignidade de vida, segurança e proteção e, desse modo, uma vida mais feliz.

Qual a importância desta iniciativa para a CNIS e para o país? 
Em cada ano o dia da Festa da Solidariedade consagra uma cidade como a capital da solidariedade. A CNIS pretende, com o evento, chamar a atenção para que todos tomem consciência da importância do sector social solidário na concretização de políticas seguras de proteção social para todos os cidadãos, sobretudo para os mais fragilizados. A Festa da Solidariedade promove a partilha de experiências, o maior relacionamento entre instituições, a proximidade entre os prestadores de serviços, os utentes, os colaboradores, as famílias e toda a comunidade que as envolve. É importante publicitar o que de bom se faz nas IPSS.

Está prevista alguma participação política relevante?
Em todas as Festas já organizadas esteve presente sempre o governo, acreditamos que este ano não será exceção.

A Chama da Solidariedade, que integra este evento, que percurso vai percorrer?
A Chama da Solidariedade vai percorrer ao longo de quatro dias, de 21 a 24 de setembro, todos os concelhos do distrito de Viana do Castelo, com atividades programadas para todas as sedes de concelho.  

Que significado tem a Chama da Solidariedade?
Sabemos que nem todos os que gostariam de estar na Festa da Solidariedade o podem fazer, mas nós queremos que o espírito da solidariedade, da fraternidade, do voluntariado, da partilha e do respeito pelos outros continue vivo no comportamento e na atitude de cada pessoa, independentemente da sua condição. Por isso, fazemos deslocar esse espírito por todo o país, simbolizado numa chama que brilha, que guia e que aquece os corações de todos, convidando para esta missão solidária que também é de todos.

A autarquia de Viana do Castelo e as IPSS do distrito estão a cooperar, como de costume, na iniciativa?
A União das IPSS de Viana do Castelo é parceira da CNIS nesta organização, tendo feito um trabalho determinante para que a organização fosse menos complexa e o evento venha a ter o sucesso que esperamos. Realço todo o trabalho de dinamização e promoção da Festa e da Chama nos diversos concelhos, com adesão total bem como nos contactos com a Câmara Municipal de Viana do Castelo nas pessoas do seu Presidente e vereadora da área da Ação Social, de quem obtivemos todo o apoio que era indispensável para garantir a realização da Festa nas condições que entendemos serem as melhores. Aproveito esta oportunidade para agradecer de forma muito reconhecida todo esse apoio.

Contam com participação de IPSS de todo o país?
Com a divulgação da Festa remetemos a todas as associadas uma ficha de inscrição para a Festa, não no sentido de qualquer compromisso, mas para termos dados que nos permitam adequar os meios necessários ao número de participantes e temos já algumas representações asseguradas.

Todos os eventos, neste período de pós-pandemia, têm tido uma afluência excecional de público. Conta com isso em Viana do Castelo?
Claro que sim, não fosse Viana do Castelo, e todo o Minho, uma região de muita e boa animação. A animação não vai faltar e acredito que esse dia será partilhado e lembrado por muita gente.

Depois de ter organizado as 14 anteriores edições, continua a ter o mesmo empenho e prazer na realização desta iniciativa
Sem dúvida. A Festa da Solidariedade é já património cultural da CNIS. É um evento marcante nos distritos onde se realiza, é um momento de reconhecimento e de exaltação por parte de todos da importância das IPSS e é acima de tudo um momento de valorização dos princípios da solidariedade, do voluntariado, da cidadania e do espírito de missão que nos deve acompanhar a todos neste sector.

A Festa e a Chama ainda têm oportunidade de realização nos próximos tempos?
Acredito que sim, até porque já há manifestações de interesse e vontade da parte de outros distritos em serem anfitriões no próximo ano e todos estamos interessados em promover e divulgar os valores da solidariedade.

 

Data de introdução: 2022-09-08



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...