ACESSO AO PRR TAMBÉM FOI ABORDADO NA REUNIÃO COM O PRIMEIRO-MINISTRO

Sector Social Solidário pede melhor coordenação entre Ministérios

O primeiro-ministro António Costa recebeu as quatro entidades representativas do Sector Social Solidário, que saíram satisfeitas da reunião em que, entre outras questões, se pediu o cumprimento do Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social como caminho para a sustentabilidade das instituições que operam no sector.
Para o padre Lino Maia, a reunião "foi muito importante" para que as preocupações fossem enumeradas. Entre estas está também o pedido de "melhor coordenação entre Ministérios" e a discussão das "condições de acesso do sector ao Plano de Recuperação e Resiliência".
Segundo o presidente da CNIS, falou-se ainda de coesão, inclusão, igualdade, luta contra a pobreza e da "possibilidade de as mutualidades terem as farmácias sociais".
O padre Lino Maia elogiou ainda o primeiro-ministro que se mostrou "interessado e com vontade manifesta de ter um programa de legislatura que satisfaça as preocupações do sector".
Manuel de Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas reforçou as palavras do líder da CNIS.
"O sector expôs alguns problemas e algumas propostas de solução, que foram bem acolhidas pelo senhor primeiro-ministro, e muito bem, pois percebeu a razoabilidade daquilo que nós estávamos a dizer", sustentou.
Manuel de Lemos preferiu "não entrar em pormenor" nos temas abordados, mas lembra que "há uma maioria estável para quatro anos e vale a pena pensar a médio e a longo prazo".
A reunião, que contou ainda com os líderes da União das Mutualidades Portuguesas e da Confecoop - Confederação Cooperativa Portuguesa, insere-se no processo de auscultação de representantes de diversos sectores da sociedade civil e parceiros sociais que António Costa está a realizar.

Lusa (texto e foto)

 

Data de introdução: 2022-02-14



















editorial

Novos passos na Cooperação

Com a assunção por parte do Estado das comparticipações familiares das crianças do 1º e 2º escalão, já cerca de 50.000 crianças tinham Creche gratuita. Entretanto, a Lei nº 2/2022, de 3 de janeiro, determina...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

Trabalho digno
O governo apresentou no Parlamento um diploma que define um conjunto de novas regras para regular o mercado de trabalho e intitulou esse conjunto como a Agenda para o Trabalho Digno.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (IV)
Continuando na senda das reflexões anteriores, conheçamos, agora, o que pensa o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a importância da política...