CPES – CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DA ECONOMIA SOCIAL

CNIS mantém vice-presidência na nova direção liderada por Manuel Lemos

Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), assumiu a presidência da Confederação Portuguesa de Economia Social (CPES), para promover “uma maior coesão e fortalecimento do sector da economia social”.
Na tomada de posse, no passado dia 2 de fevereiro, em Lisboa, o presidente eleito para um mandato de quatro anos traçou como prioridades “reforçar o papel das organizações do sector social e contribuir para a coesão e fortalecimento da Economia Social, assim como para a construção de uma sociedade mais justa, mais equitativa e mais coesa, que assegure a dignidade e cidadania e promova a qualidade de vida e o desenvolvimento equilibrado do país”.
A CNIS mantém uma das quatro vice-presidências, na qual é representada por Eleutério Alves.
A CPES tem como objetivos principais a promoção e a defesa das organizações da Economia Social, representando o sector a nível nacional e internacional e posicionando-se como um parceiro social na concertação, na definição das políticas públicas e nas orientações estratégicas destinadas à Economia Social.
Recorde-se que a CPES, constituída em 2018, congrega as entidades representativas da Economia Social portuguesas: CNIS - Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade; UMP - União das Misericórdias Portuguesas; CONFAGRI - Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal; CPF - Centro Português de Fundações; CPCCRD - Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto; UMP - União das Mutualidades Portuguesas; ANIMAR - Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local; Confecoop - Confederação Cooperativa Portuguesa; e APM - Associação Portuguesa de Mutualidades.

 

Data de introdução: 2022-02-10



















editorial

Novos passos na Cooperação

Com a assunção por parte do Estado das comparticipações familiares das crianças do 1º e 2º escalão, já cerca de 50.000 crianças tinham Creche gratuita. Entretanto, a Lei nº 2/2022, de 3 de janeiro, determina...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

Trabalho digno
O governo apresentou no Parlamento um diploma que define um conjunto de novas regras para regular o mercado de trabalho e intitulou esse conjunto como a Agenda para o Trabalho Digno.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (IV)
Continuando na senda das reflexões anteriores, conheçamos, agora, o que pensa o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a importância da política...