UNIÕES DISTRITAIS DA IPSS MANTÊM APOSTA NA QUALIFICAÇÃO

Ações de formação de norte a sul do país para melhorar competências nas instituições

Num contínuo esforço por melhorar as competências de quem faz funcionar o apoio social e, assim, melhorar, cada vez mais, os serviços prestados pelas IPSS, muitas Uniões Distritais prosseguem os seus planos de formação.
Fevereiro e março são dois meses de calendário preenchido para muitas UDIPSS, com a maioria das ações de formação a realizarem-se por via digital, o que de alguma forma facilita a participação.
São diversos os temas de algumas das formações que as UDIPSS estão a proporcionar às suas associadas, mas não só.
«Estabelecimentos de Apoio Social - Licenciamento e fiscalização» é o tema de uma dessas ações de formação que será proporcionada pela UIPSSD Bragança, no dia 17 de fevereiro (das 15h00 às 17h00), e pela UDIPSS Setúbal, no dia 22 de fevereiro (das 14h30 às 17h30).
O objetivo desta formação, ministrada por Eduarda Araújo, é dotar os participantes de conhecimentos sobre as alterações decorrentes do Decreto-Lei n.º 126-A/2021, de 31 de dezembro, e tem como principais destinatários os dirigentes, os responsáveis pela gestão, as direções-técnicas, as direções-gerais, as direções de serviços, os contabilistas e outros profissionais das IPSS.
A temática requer informação e conhecimento, estando Conteúdo Programático
A Análise das alterações ao Decreto-lei n.º 64/2007, de 14 de março, as novas normas introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 126-A/2021, o regime transitório e a aplicabilidade às IPSS são os conteúdos programáticos a abordar no sentido de melhor se compreender o regime de instalação, funcionamento e fiscalização dos estabelecimentos de apoio social.
As associadas das Uniões Distritais que promovem as formações têm um custo de inscrição de 25 euros, para todos os demais é de 40 euros.
Por seu turno, a UDIPSS Leiria tem duas ações de formação previstas para os próximos meses, ambas online e repartidas por vários dias.
Assim, no dia 16 de fevereiro, das 14h00 às 17h00, realiza-se a primeira sessão da formação acerca das «Boas Práticas Laborais», realizando-se a segunda e última sessão no dia 23 de fevereiro, no mesmo horário.
A formação, a cargo de Sara Gordo, consiste numa componente teórica, com três módulos (Inteligência emocional - exprimir e gerir emoções; Stresse e Ansiedade - Fatores desencadeadores; e Comunicação e Liderança), e uma componente prática sobre técnicas de gestão de stresse, estratégias de comunicação eficazes e treino de resolução de conflitos.
Já em março, o tema será «Regime Jurídico do Trabalho nas IPSS», uma formação de 12 horas e que se inicia a 8 de março (das 14h00 às 17h00). Haverá mais duas sessões agendadas para dia 24 de março (das 14h00 às 17h00) e dia 29 de março (das 9h00 às 17h00).
Como conteúdos, a formadora Filipa Magalhães irá abordar: diferentes modalidades de contratos e seus regimes: o que mais se adequa a cada caso; o local de trabalho e a categoria profissional, enquanto elementos essenciais do contrato; direitos e deveres dos trabalhadores e consequências da sua violação; horários de trabalho - regimes e regras aplicáveis; regime das férias - dias de férias, vencimento, gozo e marcação; e regime das faltas - tipos de faltas e suas consequências.
O custo para aceder a esta formação é de 10 euros para as associadas da UDIPSS Leiria e 20 euros para as que não o são.
Ainda sobre questões laborais, a UIPSSD Bragança vai levar a efeito uma ação subordinada ao tema «Responsabilidades dos e com os Operacionais nas Organizações Sociais».
Destinada a auxiliares/trabalhadores de Serviços Gerais, a ajudantes familiares, a ajudantes ação direta, a ajudantes de ação educativa, a empregados de refeitório, a ajudantes de cozinha, a cozinheiros, a operadores de lavandaria, a encarregados de Serviços Gerais, a coordenadores/responsáveis de serviços, a chefias intermédias e a gestores da qualidade, a formação tem por objetivo fornecer aos participantes conhecimentos das responsabilidades dos ajudantes e auxiliares de ação direta e ainda do papel das chefias no desempenho das suas funções.
Assim, dia 24 de fevereiro, entre as 14h30 e as 18h30, em formato online, Sílvia Machado conduzirá a sessão, que prevê um conteúdo programático que vai da descrição das funções, autoridades e responsabilidades dos auxiliares/ajudantes ao papel da chefia intermédia para o sucesso, através da informação, capacitação e liderança, passando pela importância da avaliação intermédia e do feedback, entre outros.
Uma vez mais, para as associadas da UIPSSD Bragança o custo de inscrição é de 25 euros, enquanto para os demais interessados é de 40 euros.
Por ser um elemento fulcral nas contas das instituições, «O Cálculo das Comparticipações Familiares e do Custo Real por Utente» é um tema que importa abordar, até porque parece que se pretende entrar numa nova era em termos de cooperação com o Estado.
Nesse sentido, as Uniões Distritais de Bragança e de Viana do Castelo vão acolher esta formação, de forma presencial e que, sob orientação de Hugo Kress, pretende capacitar dirigentes, gestores, diretores-técnicos e contabilistas, entre outros, para o cálculo e a interpretação dos documentos para aplicação das mensalidades a aplicar aos utentes.
O financiamento das respostas sociais em contexto de cooperação, a comparticipação financeira da Segurança Social e a comparticipação familiar é o ponto de partida, avançando depois para os cálculos das comparticipações familiares e do custo médio dos utentes, encerrando com as ferramentas para o cálculo das comparticipações familiares.
Assim, a formação decorrerá, dias 22 e 23 de fevereiro, em Bragança, na Fundação Betânia - Centro Apostólico de Acolhimento e Formação, das 9h30 às 13h e das 14h30 às 17h00, e em Viana do Castelo, no Lar de Santa Teresa, no mesmo horário.
O preçário desta formação é de 50 euros para as associadas das duas uniões distritais e 80 euros para as não associadas.

 

Data de introdução: 2022-02-10



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...