APARTAMENTOS DE AUTONOMIZAÇÃO

Resposta de 63 IPSS vai beneficiar mais de 300 jovens

A resposta de 63 instituições particulares de solidariedade social (IPSS) ao concurso para apartamentos de autonomização vai permitir quadruplicar o número de jovens nestas estruturas, que em 2019 eram pouco mais de uma centena, indicou o Governo.

No total, são mais cerca de 300 jovens que vão passar a estar abrangidos por essa resposta social, cujo objetivo é apoiar a transição para a vida adulta de jovens institucionalizados.

Segundo o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o aviso aberto em julho pelo Instituto da Segurança Social para apartamentos de autonomização recebeu 63 candidaturas de IPSS.

Com esta adesão, o número de jovens em apartamentos de autonomização poderá passar de 104 em 2019, de acordo com o relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens mais recente, para cerca de 400. Em 2015, este número não ultrapassava os 50.

"Este programa está a gerar muito dinamismo para multiplicar a capacidade de resposta para as situações de transição e de autonomização acompanhada de jovens em perigo", sublinhou a ministra Ana Mendes Godinho, citada em comunicado.

Os apartamentos de autonomização são respostas sociais dirigidas a jovens em perigo, com o objetivo de apoiar a transição para a vida adulta através de medidas de promoção e proteção em casas de acolhimento.

Através desta resposta, os jovens a partir dos 15 anos têm a oportunidade de passar das casas de acolhimento para apartamentos, onde é assegurado um acompanhamento técnico mais próximo, personalizado e promotor de autonomia.

O objetivo, explica o MTSSS, é promover a sua desinstitucionalização, contribuindo simultaneamente para a sua integração na sociedade.

Para a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, "é essencial promover a desinstitucionalização, garantindo a estes jovens o início de uma vida autónoma, com integração plena, prevenindo situações de exclusão".

 

Data de introdução: 2021-08-18



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...