ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE SEM-ABRIGO

Candidaturas para Housing First e Apartamento Partilhado abertas até ao dia 10 de setembro

Decorre até ao próximo dia 10 de setembro a fase de formalização de pedidos com vista à celebração de protocolos para o funcionamento de Housing First e Apartamento Partilhado, um prazo, entretanto, alargado pela tutela.
As entidades elegíveis e interessadas devem formalizar os pedidos mediante submissão de candidatura através da Segurança Social Direta.
As candidaturas obedecem a um processo desmaterializado e simplificado, de acordo com o determinado na Portaria 151/2021, de 16 de julho, e que “estabelece as condições de acesso e candidatura à celebração de protocolos para projetos específicos de Housing First e Apartamento Partilhado, de acordo com os modelos definidos, no âmbito da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo (ENIPSSA)”.
Podem candidatar-se à celebração de protocolo as IPSS e as instituições que lhe são legalmente equiparadas, bem como outras entidades que desenvolvam atividades de ação social do âmbito da segurança social, sem finalidade lucrativa, e que manifestem interesse em assegurar as respostas acima referenciadas.
As condições de acesso e candidatura aplicam-se a todo o território continental e “destinam-se ao funcionamento de projetos inovadores de alargamento e de reforço das respostas de alojamento e habitação destinadas a pessoas em situação de sem-abrigo, promovidas com a finalidade de combater situações de pobreza e exclusão social”, lê-se na Portaria.
Nesse sentido, a intervenção com vista à integração de pessoas em situação de sem-abrigo concretiza-se através dos modelos Housing First e Apartamento partilhado.
“O modelo de housing first visa proporcionar à pessoa em situação de sem-abrigo uma habitação permanente e individualizada, apoiada por um conjunto diversificado de serviços de apoio social, em estreita ligação com outros recursos da comunidade e com o apoio técnico adequado, no sentido de promover a inserção social e a autonomização”, sendo que “a ocupação deve considerar uma pessoa por habitação”, mas também deve ser “permitida a ocupação por um casal ou, excecionalmente, por um máximo de duas pessoas em coabitação, mediante avaliação fundamentada da situação e das condições da habitação”.
Já “o modelo de apartamento partilhado visa garantir à pessoa em situação de sem-abrigo um alojamento em contexto habitacional com caráter transitório e temporário, apoiado por um conjunto diversificado de serviços de apoio social, em estreita ligação com outros recursos da comunidade e com apoio técnico adequado, no sentido de promover a inserção social e a autonomização”.
Em termos de capacidade, a ocupação “varia entre o mínimo de duas pessoas e o máximo de cinco pessoas, considerando o número de quartos disponíveis, devendo ser asseguradas as normas de habitação, as condições de higiene e segurança em vigor”.
Neste modelo, o acolhimento está previsto para um período máximo de seis meses, “podendo ser excecionalmente renovado uma vez, por igual período”.
Em termos de comparticipação financeira, no modelo de Housing First o valor é de 150 euros/mês por vaga, estando definido um quadro de pessoal (referencial definido para 30 utentes) com um psicólogo ou assistente social ou terapeuta ocupacional e um monitor.
No que se refere ao Apartamento Partilhado, o valor da comparticipação é de 460 euros/mês por vaga e a exigência de um quadro de pessoal (referencial definido para 10 utentes) com um psicólogo ou assistente social ou terapeuta ocupacional e um auxiliar de Ação Direta.
As candidaturas devem ser submetidas na plataforma da Segurança Social Direta até às 23h59 do dia 6 de agosto de 2021.
Para esclarecimento de dúvidas ou pedido de informação adicional, os interessados podem recorrer ao endereço de e-mail: ISS-DDS-ENIPSSA@seg-social.pt.

 

Data de introdução: 2021-08-12



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...