COVID-19

Informações importantes sobre férias dos trabalhadores e comparticipação dos utentes

Para além das FAQ’S divulgadas (MEDIDAS EXTRAORDINÁRIAS PARA FAZER FACE À SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO NOVO CORONAVIRUS - INSTITUIÇÕES, RESPOSTAS SOCIAIS E AÇÃO SOCIAL e as Medidas Relativas a Pessoas com deficIÊNCIA, Suas Famílias e Entidades que lhes Prestam Apoio ) que já respondem à maioria das questões colocadas à CNIS pelas IPSS, há dois assuntos, também eles objecto de pedido generalizado de parecer, que não constam – porque não devem constar – dessas instruções do ISS, I.P., mas cujo interesse suscita os seguintes esclarecimentos:

1 – Marcação de férias dos trabalhadores

O Decreto-Lei nº 10-A/2020, de 15 de Março, nada estipula quanto à aplicabilidade do regime excepcional no que toca ao direito às férias dos trabalhadores.

Quanto a essa matéria, vigora, pois, a lei geral, bem como o disposto no CCT.

O arto 241º, 3 do Código do Trabalho estabelece que as férias devem ser marcadas pelo empregador entre 1 de Maio e 31 de Outubro, estabelecendo, por sua vez, a Cláusula 47ª, 2 do CCT entre a CNIS e a FEPCES que as férias dos educadores de infância deverão ser marcadas entre 15 de Junho e 15 de Setembro.

Só poderá não ser assim, podendo ser marcadas antes ou depois desses períodos, com o acordo dos trabalhadores envolvidos.

Assim, a eventual antecipação do período de férias dos trabalhadores em serviço nas respostas sociais agora encerradas, pelas razões excepcionais que deram origem ao Decreto-Lei em causa, só poderá ocorrer com o acordo dos mesmos trabalhadores.

Chama-se, no entanto, a atenção para a possibilidade de afectar esses trabalhadores – cujas funções são esvaziadas pelo encerramento – a outras funções, reforçando as equipas de trabalho afectas a serviços de continuidade, em virtude da eventual falta ao serviço de restantes trabalhadores, afectos a tais serviços, por motivo de acompanhamento de filho menor de 12 anos ou portador de deficiência – arto 5º, 5 da Portaria nº 71-A/2020, de 15 de Março.

Como se refere nas FAQ’S acima mencionadas, a eventual afectação temporária de trabalhadores com categoria profissional diversa da prevista nos acordos de cooperação não será considerada incumprimento dos referidos acordos no presente contexto.

2 – Comparticipações dos utentes

Como se refere nas FAQ’S, as comparticipações da Segurança Social, devidas por acordos de cooperação, serão mantidas durante o período de encerramento, sem deduções e pelo total da frequência prevista em acordo.

No que se refere às comparticipações dos utentes, trata-se de matéria interna da gestão das instituições, traduzida no conteúdo dos contratos de prestação de serviços celebrados com os utentes e seus familiares.

Compreende-se que a interrupção da prestação de serviços, por causa não imputável, nem à Instituição, nem ao utente, não configura incumprimento do contrato, constituindo motivo de força maior.

A decisão sobre se, e em que medida, essa interrupção poderá ser motivo para a redução das comparticipações mensais durante o período de encerramento cabe na autonomia de gestão de cada Instituição, em conjunto com os encarregados de educação, nos casos em sejam eles os responsáveis, ou com os utentes e seus familiares, nos demais casos – sem prejuízo, como é evidente, dos casos em que solução diversa resulte, quer do Regulamento Interno, quer do contrato de prestação de serviços.

A recomendação da CNIS é que essa eventual redução, a ser decidida, o seja após ponderação, em cada caso, da necessidade de sustentabilidade das Instituições, por um lado, e da dimensão da utilização pelas Instituições das modalidades de apoio à manutenção dos postos de trabalho, previstas nos artso 21º a 23º do Decreto-Lei nº 10-A/2020, de 15 de Março e no arto 5º da Portaria nº 71-A/2020, de 15 de Março.

3 – Há ainda um ponto, referido nas FAQ’S sob a epigrafe “4. Mecanismos de apoio à manutenção dos postos de trabalho”, sobre o qual se pode dar uma informação adicional.

Transcreve-se o texto das FAQ’S: “24. Mecanismos de apoio à manutenção dos postos de trabalho” - “Foram aprovadas medidas de apoio à manutenção dos postos de trabalho em caso de quebra significativa ou suspensão da atividade aplicáveis às instituições do setor social e solidário, de acordo com o definido na regulamentação extraordinária aprovada para o efeito.”

Tais medidas constam da Portaria no 71-A/2020, de 15 de Março, publicada no Diário da República nº 52-A/2020, 1º Suplemento, Série I de 15 de Março de 2020.

Uma dessas medidas é a possibilidade de acesso ao lay off simplificado, nas situações em que se verifique uma diminuição de pelo menos 40% da facturação da Instituiçãoo, nos termos do Artigo 3.º, 1., b) da referida Portaria, e se verifique a necessidade de redução do horário de trabalho de alguns trabalhadores:

“Arto 3º Situação de crise empresarial –

1 - Para efeitos de aplicação da presente portaria, considera-se situação de crise empresarial:

b) A quebra abrupta e acentuada de, pelo menos, 40 % da faturação, com referência ao período homólogo de três meses, ou, para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, à média desse período.”

A atribuição do apoio extraordinário, no montante de dois terços da remuneração global ilíquida – arto 305º do Código do Trabalho - tem a duração de um mês – arto 5º, 3 da Portaria em causa-, “... excecionalmente, prorrogável mensalmente, até um máximo de 6 meses, apenas quando os trabalhadores da empresa tenham gozado o limite máximo de férias anuais e quando a entidade empregadora tenha adotado os mecanismos de flexibilidade dos horários de trabalho previstos na lei.” – nos termos do arto 5º, 4 da referida Portaria.

O apoio previsto será suportado em 70% pela Segurança Social e em 30% pela Instituição, nos termos do referido arto 305º do Código do Trabalho, com isenção do pagamento da TSU a cargo do empregador relativamente ao apoio extraordinário referido – arto 10º, 1 da mesma Portaria.

Por último, recomenda-se, uma vez mais, a todas as associadas a continuidade da aplicação das medidas de higienização e procedimentos que têm sido veiculadas em todas as comunicações enviadas por todas as entidades de saúde e pela CNIS aqui, assim como a fundamental articulação com a Autoridade Regional/Local de Saúde.

DOCUMENTO ORIGINAL DA CNIS

 

Data de introdução: 2020-03-19



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...