SEGURANÇA

Criminalidade aumenta 34 por cento em 10 anos

Os crimes participados às polícias aumentaram um terço (34 por cento) nos últimos dez anos, entre 1993 a 2003, de acordo com dados do Gabinete de Planeamento e Legislativo do Ministério da Justiça citados pelo Público.

O jornal refere que esta "evolução é um salto brutal quando comparado à dos restantes países europeus e industrializados", citando como exemplo o Reino Unido, onde o crescimento foi de apenas seis por cento. Este aumento de participações aconteceu "à custa da criminalidade mais violenta e que mais pânico gera na sociedade", indica o diário.

Enquanto as participações de cheques sem cobertura desceram na última década, agravaram-se os roubos com violência na rua (mais 182 por cento), dos furtos em residências (mais 14 por cento) e dos furtos de veículo motorizados (mais de 93 por cento).

Entre 1993 e 2003, os homicídios consumados baixaram de 427 para 271, enquanto o crescimento das ofensas à integridade física subiu 53 por cento, sendo a maioria dos casos de ofensas muito graves.

Os crimes de ameaça e coacção passam de 12.589 em 1998 para 18.186 em 2003, refere o Público, acrescentando que no mesmo período de tempo o roubo na via pública, com violência, muitas vezes com arma, quase duplicou.

O jornal adianta também que Portugal passou de 36 crimes por mil habitantes em 2001 para mais de 40 crimes por mil habitantes no ano passado, de acordo com dados do Conselho da Europa que nesta matéria coloca Portugal à frente de países como Espanha, Polónia, Grécia, Irlanda e a Rússia.

Apesar das participações dos crimes terem aumentado, Portugal é um dos 17 países, (entre os quais França, Canadá, Suécia, Austrália, e Finlândia) onde as vítimas menos se queixam às polícias. De acordo com dados do programa International Crime Victim Survey, apenas uma em cada três vítimas (32 por cento) de crime se queixa às autoridades.

 

Data de introdução: 2005-07-25



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...