Cresce peso das pensões

Cerca de 28% do rendimento anual disponível dos portugueses provém de pensões, subsídios de desemprego e outras prestações da Segurança Social, como por exemplo os abonos. 

Ao mesmo tempo, esta "despesa social" representa 45,5% da despesa pública. Ou seja, metade dos gastos anuais do Estado - que atingem os 49,3% do PIB, de acordo com o Orçamento Rectificativo - são consumidos em transferências para as famílias. 

Desde 1999, o peso das transferências estatais no rendimento disponível das famílias aumentou cinco pontos percentuais, e nos últimos três anos o contributo das pensões para o rendimento cresceu três pontos percentuais. É a consequência do envelhecimento da população.

 

Data de introdução: 2005-07-25



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...