CÁRITAS DIOCESANA DE AVEIRO PROMOVE COMUNIDADE CIGANA

NOVAS SENDAS abrem novos horizontes

"NOVAS SENDAS" é um projecto dinamizado pelas Cáritas Diocesana de Aveiro e destinado à promoção das comunidades ciganas dos três Bairros do lugar de Ervideiros, às portas da cidade. Insere-se no Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social e propõe-se "ir ao encontro das populações locais em situação de dificuldades e de exclusão social", garantiu ao SOLIDARIEDADE o diácono permanente José Alves, presidente da Cáritas Diocesana. 

"NOVAS SENDAS" é um projecto dinamizado pelas Cáritas Diocesana de Aveiro e destinado à promoção das comunidades ciganas dos três Bairros do lugar de Ervideiros, às portas da cidade. Insere-se no Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social e propõe-se "ir ao encontro das populações locais em situação de dificuldades e de exclusão social", garantiu ao SOLIDARIEDADE o diácono permanente José Alves, presidente da Cáritas Diocesana.
"NOVAS SENDAS" é um projecto que vai desenvolver-se até 31 de Dezembro de 2007 em Ervideiros, Quinta do Simão, e vem na sequência de um outro, "SENDA GITANA", direccionado para crianças e mulheres. O novo projecto é mais amplo, procura chegar a todos, mesmo não ciganos, e quer "fomentar o exercício de uma cidadania participativa e crítica" de todos os intervenientes, adiantou-nos José Alves. 

Os projectos "SENDA GITANA" e "NOVAS SENDAS" resultaram da tomada de consciência de que era urgente agir em favor das comunidades ciganas que se radicaram junto à cidade de Aveiro, tendo em conta o conhecimento da existência das muitas carências por elas sentidas. No entanto, as acções procuram atingir outras pessoas, não ciganas, também em risco de exclusão social. São, no fundo, projectos ambiciosos que apostam, firmemente, na promoção da dignidade pessoal e comunitária, sempre numa perspectiva de levar os destinatários a tornarem-se "agentes activos na sociedade a que pertencem", mas ainda têm como objectivo contribuir para que "a sociedade os reconheça como tal", frisou o nosso entrevistado. 

Esta iniciativa, de largo alcance social, tem instalações na Quinta do Simão adequadas ao desenvolvimento das mais variadas acções, com espaços diferenciados para crianças, adolescentes e adultos. Numa área coberta de 300 metros quadrados decorrem ateliês "direccionados para homens e adolescentes em situação de exclusão social", especialmente para implementar "actividades promotoras de alterações de comportamento, nos sectores da saúde, higiene pessoal e doméstica, alfabetização, emprego e formação profissional", referiu o presidente da Cáritas Diocesana. 

As propostas dirigidas às crianças em idade escolar, nos tempos livres, pretendem contribuir para a "interiorização de novos conhecimentos, valores e práticas, potenciar hábitos de estudo, sensibilizar para a protecção ambiental e para a igualdade de direitos, deveres e oportunidades", sublinhou José Alves, que acrescentou: "Todo o programa e toda a intervenção da Cáritas junto das comunidades ciganas visam contribuir, na prática, para a sua inserção social." 

Paralelamente a tudo quanto decorre naqueles Bairros, ao nível da formação, "há um trabalho quotidiano de apoio às famílias, tendo em conta variadíssimas vertentes, tanto na procura de soluções imediatas para problemas existentes, como no encaminhamento das pessoas para instituições que possam dar respostas mais especializadas. 

No âmbito de acções socioeducativas e formativas, há dez cursos de sensibilização e de formação para outros tantos grupos de formandos, abrangendo homens, mulheres e adolescentes, estes com mais de 16 anos. Trata-se de cursos que abordam temas tão diversos como "Sensibilização às Novas Tecnologias da Informação", "Promoção da Inserção Socioprofissional”, "Promoção da Economia e da Segurança Familiar", "Pequenos Consertos Domésticos", "Cestaria e Pintura Artesanal", "Imagem Pessoal", "Promoção Pessoal e da Cidadania", "Promoção da Saúde", "Conserto e Tratamento de Roupa" e "Artes Decorativas". 

"NOVAS SENDAS" é um projecto co-Financiado pelo Fundo Social Europeu, contando a Cáritas Diocesana com a parceria, imprescindível, de várias entidades, nomeadamente, Câmara Municipal de Aveiro, Centro de Emprego, Centro de Saúde, Centro Distrital de Segurança Social, Centro Universitário Fé e Cultura, Coordenação Concelhia do Ensino Recorrente, Equipa do Instituto de Reinserção Social, Florinhas do Vouga, Juntas de Freguesia de Cacia e de Esgueira, Núcleo Executivo do Agrupamento de Escolas de Esgueira e Pastoral Diocesana dos Ciganos. 

A equipa de intervenção directa no projecto é constituída por uma socióloga, uma psicóloga, uma educadora social, uma animadora sociocultural, uma auxiliar de ocupação, uma contabilista e uma administrativa a tempo parcial. A coordenação é de uma técnica superior do serviço social. A entidade formadora é a MultiAveiro. 

O presidente da Cáritas Diocesana de Aveiro garantiu ao SOLIDARIEDADE que o projecto "NOVAS SENDAS" é sujeito a planeamento e avaliação permanentes, com o envolvimento de todas as entidades que o subscreveram, quer para ajustes estratégicos, quer para se responder a necessidades emergentes. Nessa linha, realçou o esforço e a pertinência do trabalho em rede e a boa articulação dos serviços, o que garante, à partida, novas parcerias, para dar respostas aos mais fragilizados da nossa sociedade, cada vez em maior número, infelizmente, concluiu José Alves.

 

Data de introdução: 2005-08-03



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...