RUÍDO

Melhorar a paisagem sonora urbana

Investigadores do Instituto Superior Técnico (IST) estão a desenvolver um projecto para tornar mais agradável a paisagem sonora dos ambientes urbanos, procurando formas de introduzir sons aprazíveis que "mascarem" outros mais desagradáveis. "Há uma nova tendência na forma como se encaram as sonoridades urbanas, tentando perceber o que se ouve na cidade como parte de uma paisagem sonora", disse o líder do projecto, Bento Coelho, acrescentando que "o ruído não tem só aspectos negativos".

O projecto de qualidade sonora urbana, que inclui o desenvolvimento de mapas de ruído pouco convencionais, vai ser apresentado no 12º Congresso Internacional sobre Ruído e Vibração, que decorre entre os próximos dias 11 e 14 de Julho no IST.

Ao contrário da maior parte dos mapas de ruído disponíveis, que oferecem apenas uma descrição espacial dos níveis de ruído assente em informações quantitativos, o projecto dos investigadores do IST não se baseia apenas em dados computacionais. "Quisemos integrar a percepção das pessoas nos processos de medição para escolher os sons mais e menos agradáveis, relacionando o ruído que se ouve com a qualidade que poderia ter", explicou o mesmo responsável.

Segundo Bento Coelho, o ruído não passa de um conjunto de vários sons ao qual se atribui uma valoração negativa. "Ao medirmos o ruído conseguimos identificar vários sons, como os automóveis ou os passarinhos. Depois tentamos desacoplar os sons para tentar “mascarar” os mais desagradáveis", explicou o investigador.

Embora poucos países estejam a desenvolver este tipo de projectos, em França já foram feitas experiências de "mascaramento" com sons de água. "Estamos a estudar os sons para podermos perceber onde vale a pena intervir, trabalhando a sonoridade não só do ponto de vista técnico, mas também artístico", afirmou Bento Coelho. Aliás, salientou, um dos especialistas convidados para o congresso do IST é precisamente um músico.

 

Data de introdução: 2005-07-13



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...